Perfil

Sou Maria Cristina. Bacharel e Licenciada em Ciências Sociais, especialista em Projetos Pedagógicos com o Uso das Novas Tecnologias e mestre em Educação: Currículo (linha de pesquisa Novas Tecnologias e Educação). Professora da SEESP e professora universitária. O blog só tem como objetivo ampliar as discussões em sala de aula.

Golpe Militar, Ditadura no Brasil

Edições especiais da revista Caros Amigos sobre a Ditadura Militar no Brail:
1) A Ditadura Militar no Brasil 1 - A Noite do Golpe:
http://www.4shared.com/file/kpahtxDW/A_ditadura_Militar_no_Brasil_-.html
2) A Ditadura Militar no Brasil 2 - Antecedentes de 1964: Da Formação ao Colapso do Populismo: http://www.4shared.com/file/2nkk7eEk/COLEO_CAROS_AMIGOS_-_Ditadura_.html
3) A Ditadura Militar no Brasil 3 - Jango, Ascenção e Queda:
http://www.4shared.com/file/sd3aSZR2/A_ditadura_militar_no_Brasil_-.html
4) A Ditadura Militar no Brasil 4 - Governo Castelo Branco:
http://www.4shared.com/file/zcVw5gXP/A_ditadura_militar_no_Brasil_-.html
5) A Ditadura Militar no Brasil 5 - Governo Costa e Silva:
http://www.4shared.com/file/YQJwDhXY/A_ditadura_militar_no_Brasil_-.html
6) A Ditadura Militar no Brasil 6 - Governo Médici I (1969-1974): O "Milagre":
http://www.4shared.com/file/RW-ru5Vq/A_ditadura_militar_no_Brasil_-.html
7) A Ditadura Militar no Brasil 7 - Governo Médici II (1969-1974): A Tortura:
http://www.4shared.com/file/BNEoU_o3/A_ditadura_militar_no_Brasil_-.html

Novela Amor e Revolução é coisa séria.
Depoimentos ao final de cada capítulo:
1) Rose Nogueira à novela "Amor e Revolução". http://bit.ly/e1HGZR
2) Criméia Almeida à novela "Amor e Revolução". http://bit.ly/ecv5uN
3) Ivan Seixas à novela "Amor e Revolução". http://bit.ly/fHDQFM
4) Jarbas Marques: http://www.youtube.com/watch?v=nMEl6nsFZ84
5) Maria Amélia Teles: http://www.youtube.com/watch?v=WwQmM8ci9cI
6) Carlos Molina: http://www.youtube.com/watch?v=z5wFTSHr2nY
7) Júlio Senra: http://www.youtube.com/watch?v=2Co2aUERnGg&feature=related
* diário escrito pelo líder comunista Maurício Grabois sobre a Guerrilha do Araguaia na Carta Capital. http://bit.ly/eAqCxl
* 27 anos da Campanha das Diretas. http://bit.ly/dUAeuF
Questão de memória
Reproduzo abaixo o post do blog da Tereza Cruvinel http://terezacruvinel.blogspot.com/2010/11/as-cicatrizes-de-dilma-e-banalizacao.html?spref=tw
sexta-feira, 19 de novembro de 2010As cicatrizes de Dilma e a banalização das memórias da tortura
Não tenho escrito aqui, por absoluta falta de tempo. As madrugadas também viraram expediente neste final de ano, com tanto a fazer na EBC. Mal tenho acompanhado a cobertura política da transição mas não poderia deixar de comentar o noticiário sobre os arquivos da ditadura relacionados com a prisão, tortura e processo judicial enfrentados pela hoje presidenta Dilma.
Vi de relance, pela TV, que ela estava muito emocionada na reuniao do Diretório Nacional do PT. Parece que chorou. Acho que ela tem vivido emoções fortes mas estava abalado porque mexeram em suas cicatrizes.
Em nome da liberdade de imprensa, ainda serão feitas muitas revelações sobre a atuação de Dilma na resistência á ditadura. Em nome da liberdade de imprensa, deveriam ensinar também aos mais jovens o que foi a ditadura, quem apoiou o regime e quem o combateu, quem resistiu ao arbítrio e quem lutou pela liberdade. Isso, sim, seria construtivo, fortaleceria o apreço pela democracia brasileira.
Os mais jovens ficarão sabendo apenas que Dilma militou num certo grupo chamado Colina e numa organização denominada Var-Palmares, gerada pela fusão do Colina com a VPR (Vanguarda Popular Revolucionária). Para entender isso, seria preciso recordar o contexto criado pela repressão, que destruindo a democracia, não deixou a uma geração de jovens brasileiros nenhuma outra saída.
Trinta anos depois, divulga-se apenas que ela teria "assessorado" assaltos a bancos e ações armadas, e que sob tortura, teria mencionado nomes de companheiros, locais de "pontos" (encontros) e de aparelhos (residencias clandestinas). As matérias publicadas sugerem, de forma evasiva, que Dilma foi "delatora". Ela foi presa em16 de janeiro de 1970, sofrendo torturas e sevícias brutais nos 22 dias subsequentes, com uso de choques e pau-de-arara. Contou isso em maio, ao ser ouvida pela Justiça Militar.
Mas quem Dilma teria delatado? Nenhum dos militantes que ela teria mencionado no depoimento obtido sob tortura "caiu" logo depois de sua prisão. Dilma "mentiu muito", e é isso mesmo que um militante de valor precisava fazer ao enfrentar o tormento da tortura: Jogar com o tempo e com as informações de que dispunha, calculando cada minuto na disputa temporal com o torturador, uma disputa que podia significar a vida ou a morte. A própria e a dos companheiros. Se Dilma falou no ex-marido Claudio Galeno, como está no depoimento, sabia que ele já estava longe, no exílio. Carlos Alberto Soares Freitas foi preso e desapareceram com ele, mas isso ocorreu em 1970, um ano depois. Os demais já haviam "caído": Helvecio Raton, Erwin Resende Duarte, Reinaldo José de Melo, Angelo Pesuti, Murilo Pesuti, José Raimundo Nahas e Maria José Nahas. Falar em quem já estava preso ou no exílio, bem como "entregar" aparelhos que já haviam "caído" era uma tática para ganhar tempo e quem sabe algum alívio, embora a ira dos torturadores voltasse redobrada quando descobriam ter perdido tempo com informações furadas.
Em maio de 2008, Dilma falava ao Senado como ministra quando o senador Agripino Maia recordou ter ela dito numa entrevista que, durante a tortura, teria "mentido muito". Não iria ela mentir também aos senadores, disse Agripino, tocando nas cicatrizes de Dilma. Ferida, ela tornou-se uma leoa e seu discurso fez Agripino encolher-se. Veja um trecho:
"Não é possível supor que se dialogue com pau de arara ou choque elétrico. Qualquer comparação entre a ditadura militar e a democracia brasileira só pode partir de quem não dá valor à democracia brasileira - disse Dilma, que emocionou a plateia que a ouvia na ocasião. - Eu tinha 19 anos. Fiquei três anos na cadeia. E fui barbaramente torturada, senador. Qualquer pessoa que ousar dizer a verdade para interrogador compromete a vida dos seus iguais. Entrega pessoas para serem mortas. Eu me orgulho muito de ter mentido, senador. Porque mentir na tortura não é fácil. Na democracia se fala a verdade. Na tortura, quem tem coragem e dignidade fala mentira. E isso, senador, faz parte e integra a minha biografia, de que tenho imenso orgulho. ".
Veja também o video desta cena, uma das primeiras, no Governo Lula, em que Dilma se destacou como ser político e não como técnica: http://www.youtube.com/watch?v=7r3nVbYa138
Dilma é presidenta hoje, é natural que se queira saber de sua vida passada. O país tem direito a estas informações mas devia ter direito também às histórias completas da ditadura.
Em relação á tortura, deveríamos todos evitar a banalização, não só em relação a Dilma , mas a todos aqueles que a sofreram, lutando para que hoje tivéssemos uma democracia, estejam eles agora no PT ou em outros partidos.
TC

Nenhum comentário:

Marcadores

365 Abdias do Nascimento ABNT Acesso a Informação Adolescentes Além do Cidadão Kane Alipio Casali Allberto Cañas alterações hormonais Anarquismo Animações Antônio Cândido Antonio Conselheiro Antonio Gramsci Antropologia Antropologia Social Aprendizagem Colaborativa aprendizagem por projetos APSERJ Arte e Educação Atlas Interativo do INPE autoritarismo Avaliação Avaliações bimestrais Baixar livros Beth Almeida biblioteca virtual Bioinformática Biologia biologia computacional Blogueiros Progressistas bolsa de estudos Bolsa Família Bolsa Sandwish BRIC bullying Calon Cândido Portinari Capes Capitalismo cartografia cognitiva Castells Castoriadis Chiclete com Banana Chico Buarque Cibercultura Cibridismo Cidadania Ciência cigano Cinema classe média Clássicos da Sociologia CmapTools CNPq Coluna Prestes Competição de Computação Concepções de Educação concepções de Estado Concurso conflito fundiário Conflito palestinos X judeus. Congressos Educação e EaD Construção de Competências Contracultura Convergência Digital Cordel do Fogo Encantado Corinthias Corrupção Corrupção no Brasil Cortella coxinha Crise brasileira Cultura cultura de classe cultura de massa Cultura Digital cultura popular Currículo Currículo EaD Curso Pré-Vestibular on Line Cursos dados geo-referencial dança Democracia Dia do Sociólogo Dia dos Professores dicionario digitalizado Didática Direitos Ditadura no Brasil divulgação científica Drogas DST/AIDs prevenção EaD Economia Edgar Morin Educação Educação Ambiental Educação e Tecnologia Educação Inclusiva Educação Infantil Educação Matemática EE Nicola Mastrocola Eleições Elson Costa Emile Durkheim emir sader Engels escola de frankfurt Escravismo escudos humanos Estatística para aula de Sociologia Estética dos Anos 1970 Ética Etnografia Facebook fake news fascismo fascismo no Brasil Federação Nacional de Sociólogos do Brasil Filosofia Florestan Fernandes FNSB Formação de Professores formação social do Brasil Fotografia Futuridade Gênero GeoCapes Gilberto Freyre Gilmar Mendes globalização governo Guerra de Canudos Guerra do Contestado Guerra do Vietnã Hino da Independência do Brasil Hino Nacional Brasileiro História da Educação Brasileira História e Geografia Holocausto e II Guerra Mundial I Colóquio França-Brasil Idoso imprensa no brasil Imre Simon Inclusão inclusão social no Brasl ano de 2010 Independência do Brasil indústria cultural Instituto Federal Fluminense intercâmbio França Brasil Internet segura IPEA Irena Sendler Isca de Polícia islamismo e terrorismo Itamar Assumpção Jackson do Pandeiro José Armando Valente Jovem e tecnologia jovem infrator Jovens Embaixadores Karl Marx Laboratórios sociais virtuais Lea Fagundes Legislação e ensino de Soiologia liberdade de imprensa Lilith literatura brasileira livros em Braille lixo eletrônico Lúcia Santaella Lula Mafalda Maio de 1968 Malba Tahan Manual de Etiqueta Sustentável mapa conceitual mapas do conhecimento maria rita kehl marionete saúde Mauricio Tragtenberg Max Weber MEC Médicos sem Fronteiras meio ambiente meios de comunicação memória musical Metodologia de Pesquisa Michel Foucault Midias Migração Miguel Nicolelis Milton Santos MIN. Saúde Moacyr Scliar Modernismo Mônica Salmaso Movimentos Sociais Música Brasileira música e educação infantil Música na Educação Infantil nazismo Nelson Mandela Neurociência Noel Rosa observatório da educação Olgária Matos origem da Sociologia Origem do Homem Oscar Wilde para crianças Pacifismo PAN 2007 Paulo Freire e Karl Marx Pedagogia peixes feminilizados Pensamento Complexo Pierre Levy pioneiro da computação pobreza política brasileira política racial e preconceito Pontos de Cultura Portal de e-books Portal Onda Jovem Portas Portinari pós-graduação no Canadá Positivismo Povos Indígenas Prêmio Jovem Cientista Prêmio Jovem Cineasta Privilégios e Intolerância à Imigração Portuguesa no Brasil professora Amaral Gurgel Profissão Sociólogo Programa de Fixação de cientistas Programa Parlamento Jovem Brasileiro Programas de transferência de renda PROINFO PROJETO DE LEI N.º 480 Projetos de Aprendizagem PROUNI PSDB Psicodélico Psicologia Cognitivista PT PT quebrou o país PUC-SP pucsp Quadrinhos quilombolas Quino ranking das universidades Redação Científica Rede Globo Rede Mussi Rede Nacional de Ensino e Pesquisa Redes Sociais reforma no Ensino Médio Regulamentação Sociologia Relação Brasil - África religião Responsabilidade Penal Revistas Revolução Revolução dos Cravos Rock and Roll Rubem Braga SADEBR samba Samba-rock SciELO SEESP Semana de Arte Moderna Seminário de Ações Digitais na Educação Brasileira Seminário de Alfabetização Senado Sertanejo Silvio Tendler situação do professor Sociologia Sociologia da Educação Sociologia e Esporte Studium SUS Taiguara TCC Tecnologia Tecnologias que Educam terraplanistas trabalho do sociólogo transparência Tropicalismo Tv on line TV UNIVESP/UNESP UCA UFES UFOP UFSCAR UNESP UNICAMP USP Utopia e Barbárie V Simpósio Lutas Sociais na América Latina - Revoluções nas Américas Vanguarda Paulistana Wagner Homem de Mello Web2 WebCurriculo Webquest