Perfil

Meu nome é Maria Cristina. Fiz bacharelado e Licenciatura em Ciências Sociais, na PUC-SP, onde também fiz minha especialização em Projetos Pedagógicos com o Uso das Novas Tecnologias e o mestrado em Educação: Currículo (linha de pesquisa Novas Tecnologias e Educação). Sou professora da rede pública estadual paulista e Orientadora de Disciplina do curso de Pedagogia Semi-presencial UNESP/UNIVESP e UNILAGO.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Plebe Rude. O concreto já rachou!

Olá meninos do Ensino Médio. Assistam a este vídeo da banda Plebe Rude, atualíssimo, e reflitam de que maneira essa disciplina pode ajudar a entender os problemas que a a música "Até quando esperar" aponta:

135 comentários:

João 3D disse...

Uma boa música professora, que ataca o capitalismo e suas derivas...
Ela aborda temas como:
- A má distribuição das riquezas, que ficam concentrada na mão da burguesia.
- A responsabilidade das novas gerações em tomar consciência e lutar contra o sistema capitalista.
- A alienação, no caso é destacada a religião, que pacifica a plebe.
- O individualismo também é destacado junto à relação de venda da força de trabalho, no trecho: "posso vigiar seu carro, engraxar seu sapato[...]"
- Não tenho certeza, mas a canção fala também do Estado, dos impostos e cargos políticos, quando cita "cadê as esmolas que damos..."

Rafaela Soares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Rafaela nº27 3ºC



No inicio a musica diz que quando nascemos já encontramos os fatos sociais constituídos e que não é nossa culpa por estes, terem chegado aonde chegou, mas que isso não é desculpa pela má organização, distribuição.
A música também critica o fato de o País ser mostrado como rico, mas que isso não tem nenhum retorno para as pessoas, eles querem enxergar aonde o Pais possui tanta riqueza como se diz.
Faz uma critica sobre o fato de o Governo enriquecer com impostos que no caso são as ’’esmolas que nós damos‘‘, e que também não enxergamos retorno algum.
Com tanta espera por algum tipo de retorno o povo tende a se ajoelhar e esperar a ajuda de Deus, da mesma maneira que a plebe espera a ajuda deste, a população espera a ajuda do governo para algum tipo de melhora , que nos parece impossível.

Anônimo disse...

Bruna n• 07 3•A

a musica diz que bem antes de nascermos já existe os fatos sociais. Fala também que quem escolhemos para nos representar deveria nos ouvir e as esmolas que damos para eles deveria ser usada para ajudar a nossa sociedade, mais isso não acontece. Fazemos de tudo e tudo para o governo mas não recebemos nada em troca, nem mesmo as nossas esmolas, isso é injusto com nos mesmo.
Pois se ele esta lá foi porque nos o elegemos e o colocamos lá, e por esse fato ele deveria nos ouvir nos ajudar e não simplesmente fazer da maneira dele, sendo que na maioria das vezes não é uma maneira que favorece a sociedade.
A musica fala também que com tanta riqueza por ai cade sua fração, isso quer dizer cade sua ajuda para conosco, também somos seres humanos também precisamos de ajuda.
Se não é nossa culpa, então porque isso está acontecendo, agimos de acordo a lei e elegemos quem achamos que é certo , na maioria das vezes elegemos errado e por isso não somos favorecidos mais e quando elegermos certo , vamos ser correspondidos , ouvidos e ajudados ?

Anônimo disse...

Thayná, n° 31 - 3°C

A música questiona o governo o tempo todo, de forma direta ou indireta. Para mim, vivemos ainda de uma certa forma na escravidão, onde trabalhamos e pagamos impostos ao governo, e este guarda o dinheiro favorecendo somente a ele.
A elite ainda nos faz pensar que se estão no poder e nós passando necessidade foi porque Deus quis assim, ou seja, manipulam até a Igreja!
O governo tem o controle de tudo, por isso é ele quem comanda o mundo, deixando o homem de um jeito alienado, para assim continuar no poder..!

Anônimo disse...

Ingrid Assis,n°23- 3°F

Embora a musica seja la dos anos 80 faz muito sentido hoje quanto fez naquela época.
A música aborda varias criticas e principalmente o fato de o Governo ficar rico com os impostos que pagamos ou "esmolas que damos", e os plebeus por serem 'servos' da Ditadura se ajuelham e sem ergue suas vozes espera em silÊncio mas com esperanças que Deus ira ajudar-los.
Mesmo morando em um país rico e belo, com solo fértil e floresta que nos proporciona riquezas nós nao usufuimos disso,pois o Governo nos tira sem nem nos da a 'Fraçao'.
O pior nao e vivermos nessas condiçoes e ver as pessoas acitando e sendo moldada por esta;e ficar sem fazer nada para mudar.
Até quando as pessoas vao esperar essa situaçao piora? Até quando vai acitar dar 'esmolas' e nao exigir relmente o que merece de volta?
Até quando as pessos vao ver que para mudar algo elas precisam mudar elas primeiramente e quando vao conseguir ver que a unica coisa que cai do céu e chuva?

Amanda N°02 3°A disse...

Acho que a ideia central da música são as desigualdades. Como dizem, a corrupção do Brasil já está no DNA ! Mesmo com tanta riqueza, solo fértil, cultura riquíssima, vivemos em uma nação de pessoas antiéticas, egoístas que tudo o que lhes interessa é ser melhor que o outro. Então, nos perguntamos: com tanta riqueza por aí, onde é que está a sua fração? No bolso da minoria, que, por algum motivo, acha que tem mais direito que o restante da população. Todos os dias, nos deparamos com pessoas pedindo esmolas e sem pensar, como diz a música, que aquele abençoado poderia ser você. Aceitamos a situação com uma facilidade tão triste que acabamos esquecendo que estamos diante de um dos maiores problemas do Brasil, se não for o maior. Ao final, o que lhes resta é ajoelhar e pedir a ajuda do divino Deus, pois só por um milagre, a situação do Brasil vai mudar,pois mesmo sabendo de tudo isso o povo continua votando em politicos que só querem roubar, ao invez de tentar resolver o problema.

Nayara disse...

Nayara nº31 3ºF

Concordo com a Ingrid.
A música diz que quando nascemos já encontramos esses fatos socias feitos, por isso aceitamos as coisas que o Governo nos impõe, e nem se quer ligamos para mudar e poder exigir nossos direitos. E que mesmo com tanta riqueza, solo fértil e uma boa cultura somos ignorantes e egoístas, que tudo o que interessa é ser sempre melhor que o outro, não por querer um mundo melhor e sim pela competitividade e ignorância que vivemos hoje. Aceitamos a situação do nosso Brasil com tanta facilidade que nem se quer pensamos que aquele que pede "esmolas" , poderia ser nós mesmos. Em um trecho da música diz: NÃO É NOSSA CULPA, NASCEMOS JÁ COM UMA BÊNÇÃO, MAIS ISSO NÃO É DESCULPA PELA MÁ DISTRIBUIÇÃO, COM TANTA RIQUEZA POR AI, ONDE É QUE ESTÁ , CADE SUA FRAÇÃO - Nós não nos preocupamos com o próximo, e na maioria das vezes quando nos "preocupamos" é porque algo nos interessa depois. Até quando vamos viver assim, aceitar tudo o que nos é imposto, sem se quer reivindicar nossos direitos, mas também cumprir com nossos deveres?

Deborah nº 09 3ºB disse...

Ótima música professora!
Desde o nome da banda já podemos ter consciência de que a mesma tem como princípio derivar-se dos problemas do povo(plebe). Na concepção crítica do Estado há um raciocínio de que a sociedade resulta dos conflitos de classes, onde o Estado é representado pela classe dominante, não representando os interesses da maioria, que são as classes populares. Segundo Marx e Engels, o Estado é um órgão de dominação que domina e oprimi, que faz com que a classe popular, continue no mesmo nível de pobreza. Na música, a frase "Até quando esperar a plebe ajoelhar", significa que o Estado é organizado estruturalmente para servir à classe dominante, e que essa instituição não pode ser utilizada pelas classes populares para servir aos seus interesses. Na sociedade há pessoas que lutam por interesses burgueses e interesses das classes subalternas, como esses dois lados são opostos, o Estado não faz sua parte e nós devemos esperar.
Como disse o cantor Gabriel O pensador: "Até quando você vai ficar mudo, muda que o medo é um modo de fazer censura."

Anônimo disse...

Gabriela Cordeiro 3ºF Nº18

A ideia central da música é criticar as desigualdades sociais, onde a música reivindica a nossa parte das riquezas do nosso país, “com tanta riqueza por aí, onde é que está a sua fração?” no bolso da minoria elitista brasileira, enquanto a população menos desfavorecida anda por aí pedindo esmolas, enquanto o governo enriquece com os impostos e estes não retornam a população.
“Posso vigiar teu carro, te pedir trocados, engraxar seus sapatos” trata da relação da venda da força de trabalho por salários.
A música parece exigir uma mudança de postura das pessoas, já que estas se conformam, criando uma passividade coletiva da população, onde elas não se empenham para mudar os fatos sociais que as cercam.

Anônimo disse...

A música se trata de acontecimentos sociais relacionados à desigualdade principalmente, fato que infelizmente ainda corre solto por ai. Como exemplo de desigualdade, temos as duas primeiras estrofes, que cita a distribuição ruim das riquezas. Mais adiante, percebemos o desespero das pessoas, oferecendo ajuda, pedindo ajuda, para que tenham fins lucrativos. Mas a canção, apesar de tudo, deixa bem claro que a culpa não é da sociedade, e que esta, já nasce com essa tendência ruim de passar por esse sofrimento, sem saber até quando.
Nº13. 3ºD.

Anônimo disse...

SAMIRA nº29 3ºB


a música faz uma crítica social qanto as desigualdade geradas pela má distribuição de renda no país e ao mesmo tempo ao governo que nada faz para resolver o problema.
A critica contra a desigualdade social gerada pela má distribuição de renda é explicita no trecho''não é nossa culpa nascemos já com uma benção.Mas isso não é desculpa pela má distribuição'',ou seja nimguém tem culpa de nascer rico mas isso não é disculpa para haver má distribuição de renda entre o povo.
E a crítica ao governo é feita na ultima estrofe ''até quando esperar a plebe ajoelhar esperando a ajuda de um divino DEUS.''Este divino deus simboliza a idealização de um governo justo sem corrupção que resolverá os problemas socias enfrentados pelo povo ,diferente de todos os outros que só fazem a plebe (o povo) esperar.

Monise 3°E n°26 disse...

A banda menciona a classe popular como plebe, desde o nome da banda até a letra da música, e eles se colocam nessa classe e criticam a má distribuição de renda.
Cabe também citar o direito a igualdade que todos nós temos de acordo com a Constituição, porém isso não é posto em prática, como citado na música: Gente com tanta riqueza e alguns engraxando sapatos. O capitalismo também é citado implicitamente, pois falando de dinheiro, de desigualdade social e de má distribuição de renda, estão apontando para o capitalismo que é composto pela burguesia, que é hoje o meio em que vivemos.
Critica também o Estado, que está “vendo” tudo isso sem fazer nada. Gerando também uma ironia, pois nós lutamos por democracia e hoje temos o direito de escolher alguém para nos representar, cabe a nós também escolhermos pessoas certas para ficarem “lá em cima” cuidando de tudo por nós. Até quando isso vai durar?

Leonan W. 3ºC nº16 disse...

Leonan W. 3ºC nº16

Boa Noite!
É uma boa música,a letra apresenta temas sociológicos desde seu início até o "rodapé",onde não é difícil perceber a realidade de que se trata,com um olhar imediatista(senso-comum)onde é dita sobre a má distribuição, desigualdade, alienação e blá blá blá.
Mas, como somos seres humanos com telencéfalo altamente desenvolvido e polegar opositor, temos a capacidade de observar as coisas de outro ângulo, a qual as teorias aplicadas em sala de aula (Teoria Crítica,Teoria Histórico-Critica, e Teoria Liberal)servem como apoio para esta análise.
Ao analisar detalhadamente a música, decidi arriscar e ir um pouco mais longe, deixando de lado a concepção imediata, conseguindo inter-relacionar um vídeo que foi visto na aula de Filosofia chamado "A História das Coisas" (http://www.youtube.com/watch?v=3c88_Z0FF4k) onde há um momento que a autora cita que o ESTADO é do povo, pelo povo e para o povo coincidindo com a Teoria Liberal onde temos a citação de Russeau “...origina-se no povo, que renunciou a sua liberdade individual em favor do Estado, que representa por sua vez a vontade GERAL" e direciona a fala em que o Estado não está preocupado com a população e sim fica a mercê da classe dominante(corporações).
Entretanto podemos perceber uma contradição em relação a música da banda "Plebe Rude" onde dizem:
Com tanta riqueza por aí, onde é que está
Cadê sua fração?
Que coincide novamente com as teorias aprendidas na sala de aula (Teoria Crítica) que o Estado governa para os interesses da classe dominante, não sobrando parte alguma a não ser “esmolas” para a plebe.
Ou seja confiamos em um Estado que governe para nós, mas na verdade esse Estado governa para a classe dominante.
Sendo assim, fica a dica do que a banda critica na sua música “Até quando esperar”, esperar a ajuda de Deus? Será que Deus tem realmente haver com isso???, pois já temos sabedoria para saber o que estão fazendo conosco, o problema é que nós jovens não pensamos muito nessas coisas,na verdade estamos preocupados com nossas vaidades..ou vai dizer que é mentira? (mas talvez alguns estão preocupados).
Só vamos acordar realmente quando percebermos que esse sistema afeta nossa vida.

Anônimo disse...

Karen 3°F,n°27
A música ''Até Quando Esperar'' da banda Plebe Rude retrata mais uma realidade que não ocorre somente em nosso país, mas por todo o mundo.A crítica que está presente na música é especificamente em relação à burguesia, ou seja, a classe popular ''trabalha para produzir capital para a classe mais privilegiada da sociedade ''.O maior ponto fraco dessa questão é que a maioria da população prefere ''fechar os olhos '' para os problemas sociais e preferem dar atenção para coisas banais, como por exemplo,a mídia. Mal sabe eles que meios como esse é uma forma que a burguesia utiliza para aliená-los.
Nós pagamos, todos os dias, vários impostos, mas não sabemos nem ao menos aonde esse dinheiro é investido. Para aqueles que se importam, a cada dia que passa eles se perguntam:'' Para onde vai esse dinheiro? Por que nosso país não evolui(socialmente falando)?Por que ainda há tanta fome no mundo?
Talvez as respostas para estas e outras questões, se encontram junto com os carros de luxo que vemos circular por ai, talvez estejam na mansão nova que algum político comprou...
Outra explicação para as pessoas não se manisfestarem contra isso ,esteja no fato de que a classe popular da sociedade se sinta oprimida pela classe burguesa, ou seja, ainda existe a idéia de que só tem voz aqueles que possuem poder capital.Acredito que o sentimento de indignação e a busca por melhores condições de vida( pela classe popular) esta aos poucos se esgotando.As pessoas estão se esquecendo que muitos tiveram que lutar,sofrer e ser humilhado para conquistarmos o mero direito de estarmos, até mesmo, em uma mera fila de banco pagando nossas contas.Problemas sociais, como por exemplo a pobreza, é ignorado pelas pessoas.Todos os dias pessoas morrem de fome e ninguém se importa, mas quando o assunto é o filme novo que saiu todos ficam interessados.
A letra da música quer dizer o seguinte:Representantes de órgãos públicos vivem dizendo que os impostos são utilizados com a população, a questão é que todos os dias ainda temos que batalhar muito para termos o que por na mesa. A classe rica ainda continua dominando a sociedade, e isso não irá mudar enquanto não pararmos de ficar esperando a ajuda de alguém, ou seja, se as pessoas querem mudanças em suas vidas, pois que comecem a praticar um principio muito básico:aprenda a observar o que ocorre na sociedade e se preocupe com os fatos observados, pois enquanto estivermos distraídos co meros assuntos, a burguesia nos observa e continua a criar mais meios de consumir nossos impostos.

Jesse disse...

Jesse 3°C N°36

Uma musica que fala sobre as desigualdades e a corrupção no Brasil, onde a minoria que concentra maior parte da riqueza pensa que tem mais direitos do que outra pessoa, assim sendo egoístas, e sempre querendo ser melhor do que os outros.
Um pais totalmente desigual com sua população, tanta riqueza ‘’escondida’’ nas mãos dos governos que a populaçao não pode ver e nem fazer nada,só resta um milagre divino para uma mudança, pois hoje em dia pelo conformismo não se da a mínima para isso...

Anônimo disse...

SAMIRA N°29 3°b

PROF meu comentario anterior notei que algumas coisas estão eradas nele depois q escrevi e postei,mas como eu não consigui apagalo para consertar to fazeno otro post desconsidre aquele.

MÁ DISTRIBUIÇÃO ,DESIGUALDADE SOCIA,poderia ser o titulo da música ,pois a música é uma crítica veente a desigualdade social gritante no país ,onde ua minoria tem tudo e a grande maioria nada tem,inclusive a opurtunidade de se iserir em uma universidade ,pois acaba abandonando os estudos para trabalhar,outros vão para a escola por causa da merenda ,e as atitudes dos nossos governantes continuam medíocres e hipócritas ,pois vivemos em um país do faz de conta:faz de conta da saúde ,faz de conta da educação ,faz de conta da segurança pública.

Anônimo disse...

Fernanda C., nº10, 3ºB

Um país com tantas desigualdades sociais, isso é o que a música relata, de uma maneira explícita. Apesar de ser uma música antiga, faz sentido até os dias de hoje. A má distribuição do dinheiro público, os más governantes elegidos por nós mesmos e a falta de igualdade social entre as classes, é a mais pura realidade desse nosso país corrupto. O Estado governa para os "ricos" e a plebe é a classe menos favorecida. A sociedade tem que observar o que está acontecendo e fazer alguma coisa para mudar, ou então continuaremos vivendo nesse mundo alienado, onde o capitalismo cada vez mais toma conta de todos. "Até quando esperar?"

Anônimo disse...

Ana Claudia, nº04, 3ºB

Querida professora, obrigada por nos proporcionar a esta grande experiência, que nos dias de hoje são raras. Ouvir bandas de punk, que são realmente punks. Ouvir entre os solos de guitarra a letra que nos abre os olhos em meio a tanta corrupção - que artistas atuais colaboram com a distração - nos faz sentir vivos e com força para exigir o que é nosso.
Gosto de citar Durkheim nessas horas, meu sociólogo preferido. Em seu livro, Da Divisão do Trabalho Social, ele nos compara com moléculas que se enfileiradas sob pressão, não conseguem se movimentar, e que sem movimentos próprios não conseguem sair daquele lugar que foi determinado a ficarem. É chamada teoria orgânica. Que vivenciamos desde sempre, seja pelo poder absolutista dos reinados, do imperialismo dos vassalos e agora da "democracia" da burguesia.
E a música retrata exatamente essa fase de descobrimento das "moléculas" que podem se movimentar e causar estragos. Mas o que reduz o poder destas moléculas são as próprias que se recusam a abrir os olhos e continuam com as distrações implantadas pela elite. Vivendo o eterno círculo da política pão e circo.
Já estamos cientes do que a sociedade burguesa aplica sobre nós, a plebe. Mas não estamos cientes de que para essa situação se reverter, depende exclusiva e total de nossa atitude. E músicas como essas servem de auxilio para as moléculas estragadas abrirem os olhos. Mas isso já não depende de nós, depende do olhar individual de cada ser humano para chegarmos a grande revolução. E se tratando de seres humanos, talvez ela nunca chegue.

Anônimo disse...

Michelle, nº24, 3ºB

A música relata de vários problemas que temos no mundo capitalista de hoje. Desde que o sistema capitalista foi aplicado sofremos com a má distribuição de renda, as desigualdades sociais, a alienação, a divisão de classes (classe alta e classe baixa) e um governo corrupto e abusador.
Se notarmos bem, todos esses problemas derivam os outros. Por exemplo: a má distribuição de renda nos separa em ricos e pobres onde nos dividem em classes sociais, com isso, sofremos a discriminação social. O governo, que é o responsável por essa distribuição, é corrupto, pois desviam verbas públicas para seu uso próprio.
Tantos problemas sociais derivados apenas do governo, que gera essa má distribuição de renda, que nos discrimina socialmente e que até hoje ninguém procurou mudar isso.
Se compararmos a democracia com a ditadura, o que difere é que na lei agora somos livres, porque até então, ainda somos alienados para o governo (trabalho, consumo, etc.) e não temos voz. Aliás nós temos voz, mas não usamos para beneficio próprio, não usamos para mudanças, usamos apenas para dizer que sim a todas as vontades da elite. Cade a diferença de democracia e ditadura?
Será que realmente é que somos livres perante a lei? E fora da lei, ainda somos livres?
Essa música permite refletir sobre nossa sociedade e nosso governo. Ela é ótima para abrirmos nossos olhos para o que está diante deles. e enxergar que algo precisa ser mudado.

Anônimo disse...

Thais M. 31, 3ºA
Na musica diz que com tantas riquezas por ai , ainda existe a desigualdade .Na musica pergunta onde esta a distribuição das riquezas ,
a distribuição com a educação , saúde.Toda riqueza fica presa na mão do governo , e nós ficamos a esperar que essa renda seja distribuída.
Concordando com a Rafaela 3ºC
desde que nascemos nos deparamos com esses fatos e que não temos culpa de eles estarem acontecendo,
podemos até não ter culpa , mas podemos tentar mudar isso ,
por que não é por que nascemos nessa sociedade
que somos obrigados a viver com ela , podemos sim tentar mudar.
Como na ditadura os estudantes lutaram para que agente tenha um pais mais livre,muitas
pessoas foram expulsas do Brasil ou até mesmo mortas ,
como dizia a musica do chico buarque (roda viva)
"A gente quer ter voz ativa,no nosso destino mandar ,mas eis que chega a roda viva, e carrega o destino prá lá" eles queriam
ter uma voz ativa queriam poder opinar com oque acontecia no Brasil, mais não
podia pois quando chegava
a "roda viva" e acabava levando os sonhos e a vontade de mudar embora.

Anônimo disse...

Thais M. 31, 3ºA
Na musica diz que com tantas riquezas por ai , ainda existe a desigualdade .Na musica pergunta onde esta a distribuição das riquezas ,
a distribuição com a educação , saúde.Toda riqueza fica presa na mão do governo , e nós ficamos a esperar que essa renda seja distribuída.
Concordando com a Rafaela 3ºC
desde que nascemos nos deparamos com esses fatos e que não temos culpa de eles estarem acontecendo,
podemos até não ter culpa , mas podemos tentar mudar isso ,
por que não é por que nascemos nessa sociedade
que somos obrigados a viver com ela , podemos sim tentar mudar.
Como na ditadura os estudantes lutaram para que agente tenha um pais mais livre,muitas
pessoas foram expulsas do Brasil ou até mesmo mortas ,
como dizia a musica do chico buarque (roda viva)
"A gente quer ter voz ativa,no nosso destino mandar ,mas eis que chega a roda viva, e carrega o destino prá lá" eles queriam
ter uma voz ativa queriam poder opinar com oque acontecia no Brasil, mais não
podia pois quando chegava
a "roda viva" e acabava levando os sonhos e a vontade de mudar embora.

Anônimo disse...

Dener N°13 3ºA

A musica nos revela algo muito claro que já nascemos que é a liberdade( benção), mesmo assim não possuímos esse direito a não ser os "poderes maiores" como a burguesia e o Estado.
O Estado com tanto dinheiro tirado da sociedade e a nossa fração?cadê nossa qualidade de vida?nosso lazer,saúde,educação,salário remunerado??..se bem q "lutar pela democracia é lutar por participação e autonomia" onde precisa-se de saber conviver com as diferenças e compartilhamento de bens.
A musica mesma diz: "até quando esperar?", pois quando a sociedade se levanta para transformar a democracia o Estado usa o autoritarismo("grande característica deles), tantos impostos (esmolas) que damos para o Estado ,poderia pelo menos sermos "abençoados com lazer , saúde , educação de qualidade , salário remunerado , etc...Não queremos cesta básica ( bom pelo menos eu..), pois do meu salário deve sair meu sustento e minha condição para comprar meu alimento e o que eu necessitar , o engraçado é que todos aceitam ficar do mesmo jeito felizes da vida ganhando cesta básica e seu maior apelo é dobrar seu joelho e pedir ajuda ao divino Deus...é claro que cada um tem sua crença (ideologia), mas alem de pedirmos ajuda ao divino Deus devemos também abrir os olhos do futuro da sociedade que somos nos os alunos.

Anônimo disse...

A musica retrata a realidade em que nos encontramos hoje , onde já nascemos pertencentes a uma determinada classe social, e porque continuamos pobres ? cade a nossa parte da riqueza do mundo ? Assim é o mundo capitalista, muito nas mãos de poucos. Há também a má distribuição de renda , a desigualdade social em que somos submetidos devido ao capitalismo, apenas os ricos tem o poder, e indiretamente damos esmolas que é chamado de ‘impostos’ e ajuda a eniquecer a classe dominante , aqueles que controlam as ações do estado . até quando vamos nos contentar em estar em segunda mão, com pouco , em sermos dominados pela minoria, pela classe burguesa , que nos controlam no estado e no trabalho , pois são os donos dos meios de produção . Pagamos impostos altíssimos, ainda maiores ainda se comparados com os dos países desenvolvidos , deveríamos ao menos ter melhores condições de educação e saude publica .Vamos ficar esperando até quando ? até quando isso tocar em cada um , em nos conscientizarmos do o estado realmente quer de nós, afinal nas escolas eles já colocam o mínimo para que os alunos não se tornem seres pensantes, para que não possam aprender seus reais direitos, para não saberem que podem reivindicar a qualquer momento , com manifestações , com greves. assim quem sabe a classe baixa terá seu real valor na sociedade capitalista .

Anônimo disse...

Roberta Nº 28 3º C
(esqeci de me identificar no de cima )



A musica retrata a realidade em que nos encontramos hoje , onde já nascemos pertencentes a uma determinada classe social, e porque continuamos pobres ? cade a nossa parte da riqueza do mundo ? Assim é o mundo capitalista, muito nas mãos de poucos. Há também a má distribuição de renda , a desigualdade social em que somos submetidos devido ao capitalismo, apenas os ricos tem o poder, e indiretamente damos esmolas que é chamado de ‘impostos’ e ajuda a eniquecer a classe dominante , aqueles que controlam as ações do estado . até quando vamos nos contentar em estar em segunda mão, com pouco , em sermos dominados pela minoria, pela classe burguesa , que nos controlam no estado e no trabalho , pois são os donos dos meios de produção . Pagamos impostos altíssimos, ainda maiores ainda se comparados com os dos países desenvolvidos , deveríamos ao menos ter melhores condições de educação e saude publica .Vamos ficar esperando até quando ? até quando isso tocar em cada um , em nos conscientizarmos do o estado realmente quer de nós, afinal nas escolas eles já colocam o mínimo para que os alunos não se tornem seres pensantes, para que não possam aprender seus reais direitos, para não saberem que podem reivindicar a qualquer momento , com manifestações , com greves. assim quem sabe a classe baixa terá seu real valor na sociedade capitalista .

Anônimo disse...

Um dos grandes problemas da nossa sociedade e do nosso país em geral é a desigualdade social. Acredita-se que isso ocorra devido ao sistema que vigora em praticamente todo o mundo: o capitalismo. Ocorre a exploração do trabalho e a sociedade é operária; o trabalho(livre) transformado em mercadoria. O trabalho define o ser humano(essência humana).
Algo marcante do capitalismo é a produção de mais valia(exploração do trabalho), cadê nossa fração?
Como vc mesmo disse a maioria da população culpa o governo pela má distribuição, deposita no governo a responsabilidade e exige que ele resolva todos os problemas, cabendo a nós apenas reclamar, cruzar os braços e esperar... Mas nossa função é vistoriar, e procurar saber o que acontece na nossa sociedade e país. Infeslimente o Estado não representa os interesses da minoria, segundo Marx e Engens o Estado é um orgão de dominação da classe. A função de um governo seria governar para o povo e pelo povo, mas não é isso que acontece.
Enfim, é uma música escrita por um grupo que escrevia músicas das incertezas do país como as pessoas agiam diante das dificuldades da vida, depois da ditadura até seus dias atuais... tentavam alertar a população, sairem do comodismo.
Ana Angélica n° 04 3°F

Anônimo disse...

A letra da música, nos dá a entender que nascemos em uma classe social que não nos permite ter "contato" com as riquezas. A má distribuição de renda, onde enquanto a MAIORIA se humilha para conseguir um pouco de dinheiro, a outra parte que é a MINORIA se esbanja com parte de nosso dinheiro.
Me arrisco a dizer aqui, que o Governo, governa somente para a classe dominante, enquanto que a plebe seria ali os servos, que só vivem para trabalhar e dar dinheiro a classe dominante. Na música tem uma hora que fala assim "espera a ajuda de Deus..." eu acho que Deus não é o culpado de tudo isso, o culpado é o povo(a plebe) que escolhe mal seus representantes no governo.

The Last Romantic disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Desculpa, esqueci de me identificar no comentário de cima.
Guilherme nº 08 3ºC


A letra da música, nos dá a entender que nascemos em uma classe social que não nos permite ter "contato" com as riquezas. A má distribuição de renda, onde enquanto a MAIORIA se humilha para conseguir um pouco de dinheiro, a outra parte que é a MINORIA se esbanja com parte de nosso dinheiro.
Me arrisco a dizer aqui, que o Governo, governa somente para a classe dominante, enquanto que a plebe seria ali os servos, que só vivem para trabalhar e dar dinheiro a classe dominante. Na música tem uma hora que fala assim "espera a ajuda de Deus..." eu acho que Deus não é o culpado de tudo isso, o culpado é o povo(a plebe) que escolhe mal seus representantes no governo.

Anônimo disse...

Fernanda nº11 3°B

A música fala da desigualdade social, pois temos muitas riquezas, mas infelizmente é para poucos, ou seja, para os grandes produtores do capitalismo. O capitalismo é uma busca constante de renda, onde os que mais ganham são os ricos.
A música também fala sobre o governo impedir que as pessoas tenham uma boa educação nas escolas para se tornarem alienadas e assim não terem o real discernimento sobre a sociedade, principalmente em relação aos governantes, fazendo com que percam a esperança de progredirem na vida social e financeira. Ela também critica a dificuldade de uma pessoa pobre de conseguir recursos para viver bem, tendo que se contentar somente com as migalhas de toda essa riqueza.
O grande filósofo Karl Marx que escreveu a obra “O Capital” sempre foi contra ao sistema capitalista, por conta das desigualdades sociais que chegam a ser muito injustas com a maioria da população.

Kym Hashimoto disse...

Kym - 3º C

Uma excelente banda que procura apanhar a polícia por conta de suas músicas. O mais interessante é que com todos esses anos seguintes que foi feita a musica, ela ainda faz sentido em nossa sociedade.
A musica mostra que todos nós podemos ver a sociedade como ela REALMENTE é, porém, não fazemos nada para resolver os problemas da mesma. A crítica vai diretamente a Burguesia que sempre objetivou o trabalho para produzir capital para a classe mais privilegiada da sociedade.
Um exemplo que eu posso apanhar que pode enfatizar este raciocínio, é o vídeo mostrado pelo professor Sílvio ( FILOSOFIA )"A História das Coisas" que evidencia que o povo é tomado pelo estado onde, se preocupa em atender as necessidades da classe dominante. E assim, como vimos na musica, a realidade esta em nossos olhos e não fazemos nada

feerzinho disse...

Fernando Henrique Rodrigues N°10 3°E


a musica fala da riqueza,em uma parte diz ''onde é que esta essa riqueza?''falando que a burguesia sempre dominou,por ser uma classe mais favoravel.quando ele diz da riqueza,acredito eu que ele esta querendo dizer que ela esta só para a burguesia,riqeuza no case seria dinheiro,no trecho em que diz assim ''posso vigiar seu carro,engraxar seus sapatos,te pedi trocados''ele quer dizer acreito que esta se referindo a um mundo capitalista,onde tudo que é feito,é feito em troca do dinheiro.a musica tambem na parte em que diz assim ''nao é nossa culpa nascemos ja com uma benção,mas isso nao é desculpa pela má destribuição''acredito que ele esta querendo dizer que nós nascemos ja com o país do jeito que esta,em relaçao ao dinheiro e as classes sociais, e em relação a má distribuição da riqueza ele acredito que quer dizer que,pelo fato de estar nas maos da burguesia,por isso a burguesia é uma classe com mais condições.e na parte que fala assim ''e cade a esmolas que nós damos''acredito que é em relação aos altos preços dos produtos que só quem é de classe mais favoravel,mais rica,como a burguesia,pode comprar.

Anônimo disse...

Filipe ... N°12 3°B

A musica explica muito bem a situação em que as pessoas da classe baixa passam todos nos nascemos com os mesmos direitos e deveres porem são poucos os que têm os direitos garantidos. Como no estado todos devemos pagar impostos para que seja convertido em benefícios para a população, porem não é isso que vemos na sociedade. Na própria musica argumentam que nós já nascemos com essa benção, se referindo a pobreza, e “cadê sua fração?”,se referindo aos benefícios que deveriam ser repassados para a população porem são repassados uma pequena parcela dela.

Anônimo disse...

Nathalia Stéphanie n°26 3°B
Ola professora
A musica relatada foi um sucesso dos anos 80mas mesmo assim condiz com os tempos de hoje.O estado é representado pela classe dominante,a ideia geral da musica é criticar as desigualdades sociais, a musica menciona a classe popular como plebe que significa povao desde o nome da banda ate a musica e com isso criticam a má distribuiçao de renda. A MISICA APRESENTA TERMOS SOCIOLOGICOS ONDE PERCEBEMOS A REALIDADE COM UM OLHAR IMEDIATISTA.Contudo sofremos a alienaçao dos corpos e da mente,a divisao de classe e as desigualdades sociais.Comparando a democracia com a ditadura o que vemos é que na lei somos livres mas ate entao somos alienados com deveres obrigacao e trabalho para sobreviver e etc.S omos livres ou nao eis a questao....essa musica nos leva a reflexao.

Anônimo disse...

Isabela nº: 09 3ºC

A música nos mostra uma realidade cruel e vivenciada por todos nós nos dias atuais. Ela nos mostra a sociedade do modo como ela realmente é.
Quando nascemos já encontramos os fatos sociais constituídos e nossa única função é segui-los, mas isso não desconsidera a nossa capacidade de poder mudar.
A música questiona sobre o nosso governo antiético e egoísta, que só pensa naquilo que lhes interessa e em serem superiores aos outros. Ela questiona também até quando nós cidadãos teremos que esperar uma atitude igualitária do governo para melhorar a socidade. Já que o Brasil é uma país com tanta riqueza o seu principal problema não deveria ser a pobreza, mas o fato é que os investimentos do país nunca chegará nas mãos do povo.
Podemos observar também como a populaçáo é marginalizada no trecho que diz: "Posso vigiar teu carro, te pedir trocados, engraxar seus sapatos..", onde aqueles que tem uma baixa renda são sujeitos a trabalhar informalmente para garantirem sua sobrevivência.
Contudo, o que nos resta é questionar até quando iremos aceitar todo esse desprezo em que a maior parte da sociedade vive? Até quando vamos aceitar a alienação em que o governo nos mantem? Até quando ficaremos de braços cruzados, sem agir, para que isso tudo se "resolva"? Até quando..?

Anônimo disse...

Gabriela, n°5, 3°C.
Uma excelente música onde a ideia central é retratar as desigualdades sociais, onde uns tem tanto e outros não tem nada.
Analisando a letra podemos perceber a crítica a Alienação da classe da ‘PLEBE’, onde retrata a apatia da população brasileira.
Como o nome mesmo já diz até quando esperar? Até quando esperar as coisas caírem do céu ou então se resolverem de forma divina?
Vivemos em uma nação antiética, egoísta e com princípios ligados a coisas materiais, e nos perguntamos: Com tanta riqueza por aí, onde está a sua fração?
Uma resposta óbvia, no bolso da minoria.
Porque isso acontece se na verdade todos somos iguais, e temos os mesmos direitos perante a lei ?
Sabemos que não é assim que as coisas funcionam na realidade.
E por fim aceitamos a situação com uma facilidade tão triste que acabamos esquecendo que estamos diante de um dos maiores problemas sociais do nosso país.
Mesmo sendo uma música dos anos 80, sabemos que nada mudou. Isso deriva de toda uma historia de uma sociedade capitalista.

Caroline nº07 3ºB disse...

Bom professora, gostei muito dessa música, pois ela fala da grande desigualdade que vivenciamos atualmente. Ela nos mostra explicitamente que é por causa da má distribuição das riquezas e outras coisas mais, que muita gente sofre. Com tantas riquezas espalhadas pelo mundo ai fora, será que é motivo muitos passarem fome ou necessidades? Será que se todos tivessem um pedacinho de terra para plantar teria toda essa desigualdade? Porque será que tudo isso ocorre? Tudo isso ocorre por causa dos governos, por causa de nossa sociedade capitalista que somente pensa neles próprios. Pode-se notar, o salário dos que já tem um poder aquisitivo é o primeiro a se aumentar. Agora, o do trabalhador que rala muito só para ganhar um salário mínimo demora anos para aumentar. Hoje as pessoas em geral não estão preocupadas com nada,cada uma liga a sua televisão e fica vendo programas de entretenimento que lhes interessam e não veem os noticiários, onde mostra a realidade do Brasil e do MUNDO. Mostra até os culpados pelo nosso sofrimento, e muitos não veem isso, e na hora de votar, votam naqueles que mostram propostas atraentes, mas que por debaixo dos panos são uns completos corruptos.
Então, a única forma de vermos a JUSTIÇA sendo realmente feita é somente pela JUSTIÇA de DEUS, mostra um dos versos da música.

Lucilaine n° 17 3° D disse...

A música "Até quando esperar" mostra a realidade de uma sociedade com suas diferenças econômicas e sociais já existentes a muito tempo, como é explicado pela Sociologia sobre as sociedades e a cultura dos povos, analisando as relações entre os seres humanos.
Na letra "não é nossa culpa" diz bem o que acontece. Sempre foi e sempre será assim porque acreditamos que nada se pode fazer.
Portanto, a música faz uma crítica à política do nosso país,que a igualdade de distribuição jamais será feita ou aceita. O que também nos chama a atenção na música é quando menciona sobre a riqueza, Cadê a riqueza do país? Sendo que o descaso com a saúde e as condições de vida da população são cada vez menores para a maioria da população.

Anônimo disse...

Kayo nº19 3ºB

A musica se refere a triste realidade brasileira vivida nos dias de hoje, em relação do povo com o governo. A má distribuição de renda sofrida pelos cidadãos é um fator em destaque. Vivemos a partir de políticos corruptos que tendem a fazer um péssimo trabalho referente ao dinheiro de nossos impostos. A musica é uma forma de protesto, mas também uma inspiração a sociedade atual a sempre lutar e não ficar esperando, a função do cidadão é ficar vistoriando o trabalho de nossos representantes e exigir boa qualidade de vida e barrar o sistema de mais valia do capitalismo.
Definitivamente um mundo 100% igualitário economicamente dizendo é impossível, mas francamente o governo já nos da a oportunidade de revertemos a situação, ele nos da educação digna de qualquer um por pura força de vontade estudar e sim sair de sua classe social para uma mais elevada, porem a corrupção eminente é algo a se destacar pela enorme quantidade de dinheiro com má administração.

Gisele Santos disse...

Gisele n°22 3°A
A musica fala de uma tremenda desigualdade social e sobre a má distribuição de renda onde temos pessoas que tem muitos e outras pouco.
E quando é sitado 'cade as esmolas que damos"refere-se aos impostos pagos pelos cidadões que não esta sendo utilizado como deferia pois vemos escolas em situação precária e hospitais com imensas filas e sem os devidos equipamentos.Outro ponto que é sitado é sobre a venda da força de trabalho quando é falado "posso engraxar seus sapatos".E também que já estamos acostumados com essa situação pois não fazemos nada.

almir disse...

nome:Almir de Freitas n°03
Série: 3°B.

Oi Professora...Bem, a música aborda várias críticas, como por exemplo, os impostos que pagamos, ou seja, "esmolas que damos". E o pior, é que ficamos em silêncio, "esperando a ajuda de Deus".
Moramos em um país rico em natureza, como diz a múzica, "com tanta riqueza por ai", mas o governo não nos deicha aproveitar tudo isso. O governo tira isso de nós, sem nem nos dar a "fração".
A música, critíca especialmente a classe popular (burguesia). A população não vê que a classe mais privilegiada da sociedade é que tem a maior qualidade, pois a burguesia os distraem com a mídia, que é uma forma de alienação.
Em relação aos impostos que pagamos, as pessoas não devem ficar esperando alguém ajuda-las e mudar a situação. As pessoas devem fazer algo, ter ação. Mas isso não vai acontecer, se elas continuarem se distraindo com coisas banais.
Um país com corrupção, má distribuição de dinheiro público e desigualdade, é nosso país. Temos que obeservar a realidade e agir para as coisas mudarem, ou continuaremos vivendo nesse país alienado, "até quando esperar?" Temos voz, mas não a usamos para nosso benefício.
Professora, o que mais me deicha fascinado, é que a música foi escrita há alguns anos, e ela se encaicha melhor nos dias de hoje, do que naquela época.
É isso........ =D

Anônimo disse...

Nome: Jeieli Monara
Nº 17
3ºB

A musica foi feita numa época dificil onde foi o período ápos a Ditadura Militar no Brasil, denunciando protestos atravez das expressões dos cantores em frente as desigualdades presente no Brasil, onde apesar de ser um pais rico, esta riqueza esta concentrada nas mãos de poucos(atravéz do sistema do capitalismo), ou seja, vivemos num pais onde quem está inserido na classe dominante (no caso na classe alta, sendo os privilegiados) são a minoria enquanto a maioria estão inseridos na classe baixa(sendo aqueles submissos a trbalhos ruins, vendendo sua força de trabalho em troca de quase nada).
Quando nascemos, já encontramos os fatos sociais construidos, mas não devemos conformar com isto, pois estes não nos impossibilitará de promovermos mudanças em prol de melhoria para a maioria. Portanto devemos reivindicar nossos direitos sociais, não deixando que o Estado só governe para a classe dominante; Pois e dever do Estado, governar segundo o interesse da maioria, mais isto só sera possivel se nesta maioria haver o desejo de mudanças.

Anônimo disse...

Ana Paula Nº05 3ºA

Ao analisar-se o vídeo “Até Quando Esperar” da banda Plebe Rude, percebe-se o que boa parte da nossa sociedade vem buscando e reivindicando nesses longos anos: a igualdade social e econômica entre todos.
Essa música retrata verdadeiramente o desejo da população que busca uma vida melhor, que deseja poder sustentar dignamente suas famílias.
Ela critica a desigualdade social e econômica em que vivemos, onde a minoria vive em meio a tanta riqueza, a luxúria, ao consumismo exagerado, enquanto outros muitos lutam para sobreviver em meio a tanta pobreza, tanta miséria e tanto desprezo do governo.
Isso tudo seria desnecessário se tivéssemos um governo para o povo, um governo verdadeiramente democrático, que realmente visasse o bem comum, e não simplesmente daqueles que detêm dos meios de produção e que fazem a economia girar.
E pensar que tudo isso acontece por causa de uma palavra: LUCRO.
As pessoas perderam os reais valores, valores estes imprescindíveis na relação com o próximo e com toda a sociedade e perdidos em meio a tanto individualismo, tanta arrogância, tanta disputa e tanto desrespeito provocado pelo capitalismo.
Até quando a sociedade vai ter que clamar para ter seus direitos assegurados, sendo que o Estado deveria fazer isso? Onde estão nossos governantes para pôr um fim nessa situação?
Hoje a sociedade está intensamente escravizada pelos ideais capitalistas, de tal forma que não podemos dizer que “somos livres”, até porque ninguém até hoje sabe dizer o que é realmente ser livre.
No entanto, sabe-se que neste mundo capitalista em que vivemos para “ser livre” é necessário ter dinheiro, caso contrário, você é tratado como um nada, como um ser sem valor algum.
Enquanto a sociedade permanecer alienada pelo Estado, nada disso irá mudar. Se não colocarmos um fim nesse senso comum que corrompe o ser humano nos tornando facilmente alienáveis, nossa sociedade permanecerá assim: desigual e injusta como nos remete a música.

Anônimo disse...

Sabrina nº28 3ºB.

De acordo, com meus conhecimentos a musica mostra que não muda nada, a pessoa ser negra ou branca, rica ou pobre, mulher ou homem; Pois todos tem direito a vida que e uma benção e diante dos direitos humanos todos somos iguais, e esses direitos estão acima de qualquer poder existente seja do estado ou dos governantes.
Porém a sociedade capitalista separa a população em diferentes classes, onde todos devem buscar para si o conforto que lhe é desejado.
No entanto a classe favorecida explora as classes menos favorecidas, onde se encontra à maioria das pessoas do mundo com um abandono total.
Pois não existe uma distribuição justa respeitando os direitos da constituição; A “esmola” na musica refere ao salário onde estipulado para cada profissão, é um absurdo, já que os “Abençoados “ São quem determinam os seus próprios.
E até quando o povo vai ficar parado sem tomar uma atitude, sem reivindicar os seus direitos.
Por isso eles continuam buscando sempre uma alternativa para sua sobrevivência já que lhes são tirados e limitadas suas tentativas de si dar bem na vida,
Fazendo que se sujeitem ao ridículo, sucumbindo a executar funções indesejadas já que tendo seus sonhos interrompidos devido a tal governança. (Autoritária, Machista, capitalista), onde só seus direitos é o que lhes interessam.

Leonardo disse...

A música faz referencia a concepção critica do Estado. Onde o Estado representa os interesses da classe dominante, a burguesia, que por sua vez controla o trabalho no meio de produção capitalista.
Vemos a critica ao sistema capitalista, onde existe a má distribuição do capital, gerando as diferentes classes sociais, onde a minoria tem muito e a maioria tem pouco, que por consequência gera a desigualdade social e econômica.
Esse sistema já está implantado na sociedade, porém os cidadãos não fazem nada para modificá-lo, apenas criticam e convivem com ele. A população não percebe que seus direitos de igualdade e liberdade (já que no modo capitalista é necessário obter dinheiro para ‘ser livre’ e que igualdade se é conquistada) estão sendo oprimidos através do Estado.
Um dos meios de opressão que a classe dominante (que por sua vez controla o Estado) usa para dominar a classe baixa é a religião. Através dela os cidadãos começam a pensar por alienação que eles nasceram para viver nas condições em que estão, pois o plano divino “impôs” isso a eles. E isso é um dos motivos que faz com que a classe dominada não faça nada contra o Estado, pois, para os dominados crentes no plano divino, eles devem apenas esperar a ajuda de Deus para que essa desigualdade e problemas cheguem ao fim.
Isso faz com que fique claro o que Marx e Engels dizem: “O Estado é um órgão de dominação de classe, um órgão de opressão de uma classe sobre a outra”.
3ºE. Nº19.

Anônimo disse...

O Dever cabe a nós
Observa-se na sociedade contemporânea, que as pessoas trabalham excessivamente para obter seu sustento. No entanto, verifica-se que há má distribuição de renda é frequente, ou seja, uns com tanto, outros com tão pouco. O fato de uma pessoa nascer numa classe social mais baixa, não justifica a sua miséria ou tal pobreza, o que falta de fato é igualdade econômica.
Vimos que o número de pessoas em situação de miséria é significativo. Não queremos esmolas, ser seu empregado e sim queremos ter oportunidades de também crescer poder conquistar nossos objetivos sem que ninguém nos ultrapasse ou passe por cima de nós. “Cadê sua fração?”, ou melhor, por que nos contentamos com tão pouco, visto que esse pouco ainda é tirado de nós?
Devemos reivindicar nossos direitos, afinal de contas elegemos um ser para tal função, que ao invés de nos representar está se aproveitando da nossa fraqueza e tirando o pouco que ainda nos resta. Os jovens ao lutar por seus direitos recebem em troca repreensão “desses carinhas ai”, que dizem que o Brasil com eles será melhor!
Se não tomarmos a iniciativa o nosso pouco se tornará nada. Contudo, o nosso futuro depende de nós, das nossas escolhas. “Até quando esperar?” Deus faz a parte dele, mas nós devemos fazer a nossa, como cidadãos, que luta pelo direito próprio e também pelo direito do outro, reforçando mais ainda os dos menos favorecidos.
Portanto, não devemos esperar “A plebe ajoelhar”, pois a classe dominante nunca deixará de descer de cima de nós, quanto mais tiverem a oportunidade de nos sugar melhor, mas para tanto, cabe a nós o dever de buscar igualdade, para que não possamos entrar em processo de regressão e no conformismo.


Nome: Talita Ferreira da Silva Nº 29 Série: 3º A

Taina disse...

Nome: Taina n° 30 3C
A musica demonstra a realidade cruel da vida, não é nossa culpa que já nascemos com uma determinada benção esta benção que o autor comente é a ma distribuição de cada família tem sua determinada renda e nós não temos culpa deste acontecimento.
Ela fala da riqueza uns com tanto e outros com tão pouco e critica a nossa sociedade com a má distribuição de renda em uma sociedade capitalista que só pensa em comprar mais e mais.
A musica nos propõe a refletir, o dinheiro que pagamos, os impostos não somos nós que recebemos. Existe muito dinheiro envolvido em nossa sociedade e não é utilizado de forma adequada pois a muitas pessoas passando fome e cade a nossa sociedade os nossos políticos
os nossos representantes para ajudar a população faminta.
A musica fala de uma sociedade que espera muito, que acredita em Deus, mas não faz nada para melhorar os fatos espera cair do ceu.

Anônimo disse...

Caio n°11 3°A
A música aborda o tema da desigualdade social, pessoas que pertencem a classes sociais baixas, acabam sofrendo com essa desigualdade. Esperam ajuda divina algumas vezes (que é imposta pela classe mais favorecida).
Essa má distribuição se dá pelo governo desde as Capitanias Hereditárias, em que a ajuda sobressalente vai para classes altas pois é quem detêm toda essa base econômica. A Plebe tenta por meio de manifestações, mostrar que todos tem o mesmo direito. Que essa desigualdade não deve existir, porque eles não tem culpa.
A Plebe é tão capaz quanto a burguesia. Não é porque são plebes que e não dão tanto lucro para o Estado quanto a Burguesia que devem ser desfavorecidos. Pelo contrário, essa classe operária trabalha as vezes em serviços até mesmo mais pesados (Exemplo: Fábricas)que muitos e não tem os mesmos direitos.
Está aí o ponto da música, uma manifestação para que essa classe se iguale á todo tipo de classe, para que não sejam alienados.E essa alienação vem através da mídia, que manipula fazendo nós comprarmos cada vez mais seus produtos (Que muitas vezes não precisamos), enriquecendo essas empresas e trabalhando mais para eles.
Uma pessoa que trabalha o tempo todo, não tem o mínimo de tempo para cultura e lazer e ainda ganha um salario injusto, se comparado ao dono de fabricas que exploram seus empregados e ganham milhões e fazem a economia do país ir para frente de forma totalmente injusta. Votamos para um governo que traga condições dignas para a sociedade. Busque resolver os problemas de todos e não só daqueles que os beneficiam.
Esse tipo de banda Plebe Rude, até Garotos Podres, dão um choque na sociedade através da música para que essas pessoas alienadas que não fazem nada para garantir seus direitos, abram os olhos.

tati disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Nome: Daniel Ap. Alaminos 3ºB nº6

A musica é mto boa, ela relata a situação em que vivemos. Onde convivemos com a má distribuição, onde a maioria da sociedade é pobre e espera ajuda do governo, que está concentrado nas mãos daqueles mais ricos, que são a minoria, porém tem mais poder do que a maioria(os pobres). Esses não recebem e vivem a base de esmolas, porém as dão aos outros e lhe fazendo acreditar que este ainda tem esperança e espera por um reconhecimento divino. A musica diz que ao nascermos já temos uma benção, mais que esta não é desculpa pela má distribuição, ou seja, esta não esta ligada ao fato de não termos direitos e “poder” igual aos mais ricos.

tati disse...

A musica é boa, e fala sobre a má distribuição da sociedade, onde convivemos com a desigualdade social a todo momento, a burguesia lidera os mais pobre e esses ficam a espera de uma ajuda divina. A má distribuição acontece pelo fato do governo estar nas mãos dos mais ricos, e estes não estão nem ai com a burguesia, que vive a base de esmolas, vendendo sua força de trabalho por um salário miserável, pagando absurdos de impostos e sem nenhum retorno gratificante; e pelo fato de pagarem impostos pedem um “fração” daquilo que lhes pertecem segundo seus pensamentos. Ela também transmite de forma “oculta” que nos que somos dominados pelos que tem mais poder, devemos agir para que esse não nos domine mais, e que possamos ter direitos igualmente distribuídos a todos, sejam eles ricos ou pobres.
Tatiana n°33 3°B

Anônimo disse...

Nome: Daniel 3ºE nº6

A musica é mto boa, ela relata a situação em que vivemos. Onde convivemos com a má distribuição, onde a maioria da sociedade é pobre e espera ajuda do governo, que está concentrado nas mãos daqueles mais ricos, que são a minoria, porém tem mais poder do que a maioria(os pobres). Esses não recebem e vivem a base de esmolas, porém as dão aos outros e lhe fazendo acreditar que este ainda tem esperança e espera por um reconhecimento divino. A musica diz que ao nascermos já temos uma benção, mais que esta não é desculpa pela má distribuição, ou seja, esta não esta ligada ao fato de não termos direitos e “poder” igual aos mais ricos.

obs: Postei um igual,mas com a minha seria errada,entaum postei de novo corrigindo!

Anônimo disse...

Boa Tarde.

A letra da música é muito boa. Pelo o que estudamos da pra perceber q a musica fala um poco da burguesia, da mal distribuição do dinheiro quem pagamos ao governo através de imposto e não vemos retorno em tudo isso. No trecho: "Posso, vigiar teu carro, te pedir trocados, engraxar seus sapatos", mostra a diferença social, o capitalismo. E no também no trecho logo no inicio da musica: "Não é nossa culpa, nascemos já com uma bênção, mas isso não é desculpa, pela má distribuição" mostra que todo mundo nasce com o mesmo direito, direito de ser livre, e de viver, pois tem as leis que não deixa.

Anônimo disse...

Nome: Maycon Menezes da Costa
Nº25
3ºE

Boa Tarde.

A letra da música é muito boa. Pelo o que estudamos da pra perceber q a musica fala um poco da burguesia, da mal distribuição do dinheiro quem pagamos ao governo através de imposto e não vemos retorno em tudo isso. No trecho: "Posso, vigiar teu carro, te pedir trocados, engraxar seus sapatos", mostra a diferença social, o capitalismo. E no também no trecho logo no inicio da musica: "Não é nossa culpa, nascemos já com uma bênção, mas isso não é desculpa, pela má distribuição" mostra que todo mundo nasce com o mesmo direito, direito de ser livre, e de viver, pois tem as leis que não deixa.

Anônimo disse...

/\
ll
ll
ll
ll

Os dois é meu...kkkk... esqueci de colocar nome..
Ass.. maycon

Anônimo disse...

Regina nº27 3ºB

A musica retrata pequenos desafios que encontramos desde que nascemos. Isso seria as diversas classes sociais onde o mundo capitalista impulsiona, manipula e alimenta a sociedade; fazendo com que o ser humano se torne ganancioso e individualista.
Sonhos são destruidos e a esperança daquele que nasceu em uma classe social mais baixa acaba morrendo. A dificuldade maior é o julgamento da sociedade de poder, para aqueles mais pobres que com tantos julgamentos o pobre acaba criando uma prisão sem muros , onde a liberdade é tirada e escolhem viver sobre tarefas obrigatorias para poder ganhar um misero dinheiro e tentar se adaptar ao mundo moderno. E é onde acabam deixando de viver e se prendendo em uma alienação que é viver passivamente esperando que algo de bom aconteça. Até quando iremos acreditar que ficar parado as coisas irão acontecer ?

Anônimo disse...

Ana Cláudia Nº03 3°A
Boa música, ela aponta perfeitamente a espera das pessoas por um mundo menos desigual. Desigualdade essa que nos acompanha desde quando nascemos.
A música consegue nos passar uma critica da realidade do nosso mundo, que é justamente uns ter mais riqueza que outros. Fica bem claro isso quando ele canta "com tanta riqueza por ai, cadê sua fração".
Essa fração que nunca chega na mão da maioria é todo o dinheiro da elite, pois é a minoria que fica com toda essa riqueza, a classe dominante.
É essa classe existente no capitalismo, que segundo Marx "se apresenta necessariamente como um regime econômico de exploração", que contribui com toda essa injustiça social, onde trabalhadores com o meio de produção alienada enriquecem a minoria (donos de empresas e Estado) e ficam com uma pequena parcela de toda essa produção.

rafa_herik disse...

Rafael Nº26 3ºC
Ao Observar a letra e a propria Musica,pode se analisar que já nascemos com os fatos socias.Mas apesar disto não temos culpa nenhuma de ter chegado a onde chegou
Outro ponto que se pode destacar é hoje a midia mostra uma sociedade falsa,eles não mostra a verdadeira situação do nosso país,muitos jovens infelismente largam a educação e começam a trabalhar para poder ajudar sua familia,que hoje as promesas de mudanças para um país melhor foi esquecida,o governo esquece das partes baixas das sociedades
Paí onde um governo se enriquece Com nossos impostos e não se importam com a educação e trabalho para muitas pessoas,que infelismente não tem culpa mais acabam nascendo um governo bem ruim
E esperando ajuda do governo que para nossos olhares parece impossivel, a musica questiona e presiona esse governo.

leo disse...

Leonardo n°27 3°A

A música critica os problemas criados pelo sistema capitalista.
A má distribuição de renda, que concentra a sua maior parte nas mãos de poucos (burguesia) e a menor parte para o restante da população, cria as desigualdades sociais que leva a problemas como a pobreza, a miséria, a fome, a violência dentre outros.
Não é nossa culpa, pois já nascemos nesse sistema desigual, porém temos culpa por aceitar viver nessa mesmice, não fazer nada para mudar. Daí vem o titulo da musica “até quando esperar”, esperar que os governantes ou a burguesia ou a elite (que são todos os mesmos, que se beneficiam do sistema) tenham pena de nós e comece a distribuir melhor a renda, que nós produzimos pela venda miserável da nossa força de trabalho, e entregamos a eles. Até quando esperar que Deus resolva nossos problemas. Até quando seremos alienados otimistas, achando que vivemos nos melhores dos mundos, pois somos “livres”, ou que não temos o poder de mudar essa situação, sendo que somos nós mesmos que os colocamos no poder. Até quando viveremos nessa hipocrisia?

Anônimo disse...

Muitos acham que a base da maioria dos atuais males sociais é a tendência de se procurar usar a prosperidade material para resolver o que são, na realidade, problemas de ordem pessoal. Vemos o clima geral da sociedade de pessimismo e de descontentamento. Observamos também a crescente tendência de pessoas em encontrar o significado da vida e conseguir harmonia interna. Isto confirma o fracasso dos bens materiais de dar verdadeiro significado à vida. Em toda a parte, as pessoas estão sobrecarregadas e desanimadas por causa de problemas difíceis: econômicos, sociais, físicos, mentais e emocionais. A vasta maioria delas está descontente e desapontada com a situação do mundo e gostaria de ver uma mudança para melhor.Talvez concorde que os problemas acima contribuem para as dificuldades de se suprir as necessidades para a humanidade. Mas, por trás deles há algo mais básico: Este sistema de coisas incentiva todos a ser egocêntricos. As pessoas cuidam dos seus próprios interesses. Os interesses comerciais poluem o ambiente na busca de lucros. Os grupos sociais invejosamente protegem seus privilégios e não estão dispostos a fazer sacrifícios para ajudar os menos afortunados. As nações defendem ardentemente sua soberania e promovem seus próprios interesses, não importa quem sofra com isso.Concordando com a postagem do Leonardo o estado é um órgão de dominação de uma classe sobre a outra.Torna-se evidente que será necessária cooperação universal da mais alta qualidade para a necessidade da humanidade ser suprida. No atual sistema de coisas, ninguém, exceto o mais idealista, acha que tal cooperação ocorrerá algum dia. Sinceramente, acha que isso ocorrerá?
Caroline,11,3ºF

Anônimo disse...

Muitos acham que a base da maioria dos atuais males sociais é a tendência de se procurar usar a prosperidade material para resolver o que são, na realidade, problemas de ordem pessoal. Vemos o clima geral da sociedade de pessimismo e de descontentamento. Observamos também a crescente tendência de pessoas em encontrar o significado da vida e conseguir harmonia interna. Isto confirma o fracasso dos bens materiais de dar verdadeiro significado à vida. Em toda a parte, as pessoas estão sobrecarregadas e desanimadas por causa de problemas difíceis: econômicos, sociais, físicos, mentais e emocionais. A vasta maioria delas está descontente e desapontada com a situação do mundo e gostaria de ver uma mudança para melhor.Talvez concorde que os problemas acima contribuem para as dificuldades de se suprir as necessidades para a humanidade. Mas, por trás deles há algo mais básico: Este sistema de coisas incentiva todos a ser egocêntricos. As pessoas cuidam dos seus próprios interesses. Os interesses comerciais poluem o ambiente na busca de lucros. Os grupos sociais invejosamente protegem seus privilégios e não estão dispostos a fazer sacrifícios para ajudar os menos afortunados. As nações defendem ardentemente sua soberania e promovem seus próprios interesses, não importa quem sofra com isso.Concordando com a postagem do Leonardo o estado é um órgão de dominação de uma classe sobre a outra.Torna-se evidente que será necessária cooperação universal da mais alta qualidade para a necessidade da humanidade ser suprida. No atual sistema de coisas, ninguém, exceto o mais idealista, acha que tal cooperação ocorrerá algum dia. Sinceramente, acha que isso ocorrerá?
Caroline,11,3ºF

Anônimo disse...

Débora Cristina nº12 3ºf
A música se trata de uma crítica social,no qual mostra a má distribuição de renda,deixando claro a corrupção que encontra se no Brasil.Fala também que quando nascemos já encontramos os fatos sociais constituídos,nos quais são coletivos,sendo assim aceitamos que o governo ditem regras cuja benefícios próprio,sem pensar nas outras pessoas,fazendo com que eles enriqueça com os impostos “esmolas” que damos.
Nós mesmos somos culpados,pois como sabemos perdemos muito tempo querendo ser mais que o outro e acabamos esquecendo de reivindicar nossos direitos enquanto cidadãos.

Anônimo disse...

janaina nº10 3ºC
A musica retrata as desigualdades socias e como somos alienados,e que uns tem tanto e outros tem tao pouco,e os que tem mais se julgam superiores e que tem mais direitos do que os outros.
Critica tambem a atitude do governo em relação ao impostos que pagamos, que muitas vezes nao sao utilizados no que deveria.
E mesmo que essa musica tenha sido feita as varios anos atras ela ainda retrata a realidade de hoje.

Anônimo disse...

jamilly n°26 3ºf
Essa musica eu ja havia escutado ha muito tempo, só naõ me recordava dela ... Ela aborda muito bem os fatos socias mostrando não só a nossa realidade ,mas a de outros paises também ...A critica está mostrando a burguesia busca o capital para as classes altas ,os individuos de baixas classes sofrem pois batalham todos os dias para pagar os inúmeros impostos,e nem se quer sabem para onde esta sendo encaminhado sabem apenas que o governo esta rico as custas deles ,as melhorias vai para a classe dominante ...O sistema inicia um processo de necessidades para a classe dominante ..e fica nesta eterna luta de O doMInio De Um SoBre oS oUtrOS ... E como a musica ja diz:até quando esperar ???...concluindo:para que todos possam ter um lugar digno nessa sociedade capitalista.

Anônimo disse...

Jacqueline nº14 3ºB

É uma musica bem reflexiva, em que podemos perceber o quanto somos alienados. Pensando no que aprendemos até aqui nas aulas de sociologia, nós viramos cada vez mais escravos do capitalismo, onde se pode notar que há um “rodízio” interminável. O governo diz que somos iguais, em direitos, no qual podemos votar livremente, e escolhermos o que quisermos para o nosso futuro. Mas não há , de fato, uma liberdade .
Podemos perceber que somos diferentes uns dos outros, não só pela aparência, mas também socialmente e financeiramente. Desde pequeno a plebe (povo) é separada da classe social de maior valor valia, por não ter as mesmas condições de vida que os demais. Minha escola mesmo é o exemplo disso, nela contem pequenas áreas de vidros, parecendo uma janela em miniatura, que segundo alguns professores, era pra separar a burguesia dos alunos com condições financeiras mais elevadas. Sempre somos excluídos de lugares declarados públicos, eventos, etc. simplesmente por não sermos da nobreza.
Outro fator também agravante é o excluo dos negros na sociedade, que desde há muito tempo, pra ser mais exato na época de escravidão, foram desconsiderados humanos. Se é excluído em vários lugares por ter a cor de pele mais escura, e por muito tempo nem em propagandas se viam negros. Essa foi a realidade julgada pela sociedade, de que negros eram a pior raça que poderia se existir. E, durante muito tempo, eles mesmos se excluíram da sociedade, se auto-julgando uma raça inferior.
Enquanto há muitas pessoas por ai que esbanjam dinheiro, há também outras que nem sequer tem o que comer hoje.E porque nesse mundo há tanta desigualdade ?
Conforme podemos ver na musica, ela impõe justamente essa questão de desigualdade, num mundo devorado pelo capitalismo, num mundo alienado onde pessoas só querem mais e mais compras. Quando diz: “Posso vigiar teu carro, te pedir trocados, engraxar seus sapatos.”, ele expõe o quanto estamos num mundo completamente desigual , em que somos obrigados a fazer : “trabalhos” que ao ver do senso comum é de gente miserável , e no qual somos tratados diferentes. Ele também diz que já nascemos assim, com o que temos pra ser traçado. Também leva para o lado religioso. Devemos refletir mais sobre a musica, e perceber o quanto estamos errados no mundo, o quanto somos alienados. Será que estamos certo sentados em nossas casas sem tomar atitudes e mudanças no mundo totalmente desconcertado ? Até quando esperar ?

Anônimo disse...

DANIEL Nº8 3ºB

É uma musica muito boa, que nos revela que quando a gente nasce já estamos alienados a uma determinada função na sociedade, e essa função é individual e não coletiva, onde o governo ele representa a minoria na sociedade e não o povo “a plebe” como já se dizia Marx “o estado é dominação da classe”. Desde quando o capitalismo começou a surgir à população passou a ser dominada e alienada a uma função, onde, o trabalhador vende sua força de trabalho em troca de um salário. Assim surge a mais valia que é a exploração do trabalho, “cadê nossa fração” o salário não é justo por aquilo que fazemos. O povo reclama, eles exigem do governo uma melhor distribuição e várias outras coisas, mas não adianta exigir e ficar sentado e não agir, tem que acompanhar participar, se envolver e sempre toma consciência em quem colocar para representar à maioria que somos nós a “plebe”. Assim, mudanças sociais geralmente são lentas e demoradas, mas quando rápidas geram grandes pressões para que elas permaneçam... Por isso é tão difícil mudar!

Anônimo disse...

Viviane Soares Nº 37 – 3ºF
A música retrata uma realidade que não é exclusivamente do nosso país e sim do mundo todo, como fala na música a má distribuição de riquezas no mundo acaba afetando diretamente as classes sociais mais baixas e privilegiando as classes mais altas. A maior parte da sociedade não enxerga os problemas que acontecem, e que estão bem na nossa frente, e isso é bom pra classe dominante. Para todos esses problemas acabarem a classe dominada tinha que ter o conhecimento do sistema do governo, expor os problemas sociais que acontecem em nosso meio, procurar saber onde está a “nossa fração” pois pagamos nossos impostos e nem sabemos pra onde o dinheiro vai, nem onde é investido.
Nós vivemos em meio a uma falsa democracia que, além de corrupta, tem seu domínio nas mãos de alguns que tem objetivo somente no poder, ficando cegos para o que realmente acontece em seu meio. E essa desigualdade social é provocada pelo próprio homem, pelo fato de muitos serem egoístas, fingindo não ver a realidade que é a exploração do homem pelo próprio homem como se refere no trecho “Posso vigiar teu carro, te pedir trocados, engraxar seus sapatos”. “Até quando esperar” por uma sociedade mais justa?

Anônimo disse...

Mirla n° 26 3°D - A música fala sobre o Capitalismo, a má distribuição de renda. No começo fala que não temos culpa, ja nascemos assim, são os fatos sociais, e diz que não é desculpa pela má distribuição de renda. A alienação também esta presente na música, pois fala sobre a religião. E quando fala "até quando esperar" mostra que novas gerações de pessoas podem lutar por seus direitos e ver se algo muda.

Anônimo disse...

Maira; Numero:21; 3D

A musica nos deixa claro sobre as desigualdades sociais, vivemos em um país muito rico, más que infelizmente, nao vemos a nossa parte, temos que a todo momento andar por ai pedindo esmolas, enquanto uma minoria se enriquece as nossas custas. Ele diz que isso não é nossa culpa pois ja nascemos em uma sociedade que nos impõem todas essas maneiras de viver.
As pessoas vendem sua força de trabalho, em troca de um salario que mal se consegue viver.
A sociologia esta presente nessa musica do começo ao fim, nos mostrando a realidade da sociedade em que vivemos.

Anônimo disse...

Jaqueline N°11 3C - A música mostra como a desigualdade social esta aumentando com o tempo e que a maioria são ricos e não se preocupam em ajudar,só se preocupam com si mesmos enquanto uns tem muito outros não tem nada,e nos fechamos os olhos para a realidade que esta á frente,e os indivíduos que não aceitarem as leis é posto para fora da sociedade.O capitalismo também é um dos fatos citados,pois nos damos a nossa força de trabalho e não temos valor,quem realmente tem o lucro maior não é quem exerceu a sua força de trabalho e sim os donos das fabricas,e com isso vivemos o resto da vida ''pedindo esmolas''.Todo nos temos direitos,mais são poucos os que vão atras e lutam por essa desigualdade social que esta cada vez maior,enquanto ficarmos calados iremos viver nesta sociedade que só é justa com quem tem muito e quem não tem continua vendendo sua força de trabalho e não ganhando lucro nenhum.Até nas escolas alguns alunos são mais privilegiados que outros e os que tem dificuldades são deixados de lado,onde esta os nossos direitos de termos uma educação boa?nós não somos todos iguais?então porque há tanta desigualdade? ''Todos nascem livres e iguais'' acho que este conceito já não tem valor algum pois nós agimos totalmente ao contrario.

Anônimo disse...

Amanda Nunes, nº02. 3ºE
A música faz com que os ouvintes crie uma relação com temas que abordam política, economia, desigualdade, sociedade e relações pessoais, mostra também sem dúvidas o capitalismo.
No meu ponto de vista, a política está presente quando ele diz: “Não é nossa culpa nascermos já com uma benção, mas isso não é desculpa pela má distribuição”
A economia e a desigualdade estão presentes quando ele diz: “Com tanta riqueza por ai
onde é que está, cadê sua fração?com tanta riqueza por aí onde é que está, cadê sua fração? ’’
Mostra a sociedade e as relações pessoais como um todo durante toda a música, logo o capitalismo, pois este gera a desorganização da economia, causando a desigualdade.
A ailenação e a idealização pode estar presente quando ele fala: “Até quando esperar?
a plebe ajoelhar esperando a ajuda de Deus”
O individualismo e a força de trabalho entra praticamente junto com o capitalismo quando ele diz: “Posso, vigiar o seu carro, te pedir um trocado, engraxar seus sapatos?”

Quem Somos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Jeniffer nº12 3ºC

Só o nome da música já revela sobre o que se trata. Até quando esperar que a sociedade melhore? A música fala sobre os fatos sociais que encontramos desde quando nascemos. Vivemos num país onde algumas pessoas tem muito e outras não tem nada, má distribuição e desigualdade. Fala também sobre o capitalismo, onde as pessoas vendem sua força de trabalho e não recebem o suficiente para conseguir se manter e a elite ganha em cima disso. A sociedade é divida, o mundo inteiro é divido.. Podemos esperar mesmo que isso mude?

Quem Somos disse...

Rafael Emerson n°25 3°C

Acho que a ideia central da música são as desigualdades. Como dizem, a corrupção do Brasil já está no DNA ! Mesmo com tanta riqueza, solo fértil, cultura riquíssima, vivemos em uma nação de pessoas antiéticas, egoístas que tudo o que lhes interessa é ser melhor que o outro. Então, nos perguntamos: com tanta riqueza por aí, onde é que está a sua fração? No bolso da minoria, que, por algum motivo, acha que tem mais direito que o restante da população. Todos os dias, nos deparamos com pessoas pedindo esmolas e sem pensar, como diz a música, que aquele abençoado poderia ser você. Aceitamos a situação com uma facilidade tão triste que acabamos esquecendo que estamos diante de um dos maiores problemas do Brasil, se não for o maior. Ao final, o que lhes resta é ajoelhar e pedir a ajuda do divino Deus, pois só por um milagre, a situação do Brasil vai mudar, ou a gente acordar e começar a lutar pelos nossos direitos.

Quem Somos disse...

Ronan n°29 3°C


Vivemos em um mundo em que estamos por assim dizer alienados ao sistema. As futuras gerações já estão considerando normal os nossos representantes nos roubarem. Precisamos reverter essa situação em nosso país por meio de "Revoltas Sociais". A situação é vista como grave, visto que as futuras gerações´poderão considerar esse modo de vida como Normal.

Anônimo disse...

Paulo n°29 3°E

Musica muito boa ela nos faz refletir bastante sobre o capitalismo esse problema que existe no Brasil e no mundo todo.
A ideia central da música são a má distribuição de renda onde muitos trabalham duros e ganham pouco e outro que trabalha pouco e ganha muito, a exclusão social a desigualdade social , de um modo hoje em dia se você é uma pessoa de “baixa classe” e comete um crime você é preso , mas se acontecer isso com uma pessoa de classe alta ele ainda tem direito a liberdade.Mesmo com tanta riqueza que o país tem , vivemos com pessoas muito egoísta que so querem ter mais poder do que o outro. Esse problemas são gerados por uma elite dominante que excluiu parte da sociedade brasileira, fazendo com que pessoas passem de um dia para o outro a pedir esmolas a viver nas ruas e nos semáforos e que vemos até hoje em todas as grandes cidades do Brasil, principalmente nas grandes metrópoles.

Anônimo disse...

n° 16 3F
O vídeo fala e monstra a situação em que se encontra o nosso pais, onde não ha trabalho a todos, ricos cada vez mais ricos, o estado com muito dinheiro investindo somente na classe mais rica, impostos mal tarifados e politica insufuciente

Anônimo disse...

Yasmim n° 36 série: 3°D

Analisando o vídeo “Até Quando Esperar”, podemos perceber como a música retrata a desigualdade social e econômica que a população tem enfrentado todos esses anos.
A música em questão fala de como a população tem o desejo de buscar pra si uma vida melhor, escolhendo um bom representante que parece digno. Mas que as vezes não faz justo o “poder” que tem. Podemos perceber que a população sofre a desigualdade social, por ter tanta gente que vive em meio do luxo e outras pessoas que lutam para conseguir sustentar suas famílias.
A sociedade em si merece direitos, igualdade. Os ideais capitalistas que estão impondo só faz com que alguns cidadãos não tenham o real valor que deveriam ter. Tudo gira em torno de lucro financeiro.
A música faz questão de retratar como algumas pessoas perdem o valor por não terem uma condição tão boa quanto outras pessoas que vivem apenas de luxúria.
Enquanto o governo valorizar apenas a riqueza, muitas pessoas serão “escravas” da sociedade.

vai sabe disse...

Eduardo Volpe nº08 3ºE

Essa música relata a desigualdade na época em que a musica foi lançada e até os dias de hoje.
Retrata o desejo da população que tenta uma vida melhor sem toda essa desigualdade, criticando as pessoas que vivem nas riquezas e no consumismo sem se preocupar com os necessitados.
Não importa se somos homens ou mulheres sempre somos divididos pelo capitalismo em pobres e ricos.
Precisamos dos nossos direitos todos somos iguais, mas nao é isso que acontece, o governo praticamente nao ajuda os mais pobres e assim aumentando a desigualdade.

Anônimo disse...

Nome: Natália Letícia Alves, nº27, 3ºE
Na música diz:
-(Não é nossa culpa nascemos já com uma benção), já começa mostrando a alienação da população através da igreja, que a faz pensar que seu status na sociedade é algo superior a ela, e não depende dela mudar isso.
-Mostra uma critica ao Estado, pois através dos impostos que se paga, deveria ser feitas melhorias e uma distribuição melhor da renda, porém não é isso que acontece, deixando assim a maior parte da renda aos burgueses.
-Ilustra o capitalismo, que foi criada pela classe burguesa, onde se alienia as classes menos favorecidas, fazendo-as vender a sua força de trabalho em troca de um dinheiro muito baixo para garantir a sua sub existência e de sua família.
-Mostra também que a população aceitou a situação que se encontra pois não faz nada para mudar essa realidade que se vive até hoje.

Anônimo disse...

Karina, Nº11 3ºD
A música faz referencia a teoria de Karl Marx sobre o mais – valia onde as pessoas trabalham muito e recebem menos que deveriam, o que acabou ser tornando o padrão da sociedade atual, ou seja, da saciedade capitalista onde o que mais importa é o dinheiro, já que necessitamos de dinheiro para nos vestirmos, nos alimentarmos, entre outras coisas.
E para conseguir esse dinheiro as pessoas são obrigadas a trabalhar como maquina assim como foi vistos no filme “ tempos modernos” onde após muitas horas de trabalho o ator Charles Chaplin sai da fabrica querendo rosquear todas as coisas que parecem um parafuso.
Porém isso não acontece apenas no filme, já que atualmente com o avanço tecnológico as pessoas acabam trabalhando mais para não perderem os seus empregos, já que uma maquina é muito mais eficiente e gera menos gasto ao empregador do que um funcionário.
No entanto como as fiscalizações nas empresas só ocorrem mediante a uma denuncia do sindicato, muito empregadores ainda mantem seus funcionários trabalhando de maneira escreva, ou seja, com poucas condições de trabalho.
Sendo assim cada vez mais a desigualdade social fica maior, já que por mais que os trabalhadores trabalhem bastante eles nunca conseguem se estabilizar financeiramente, pois o valor recebido pela sua força de trabalho nunca é o suficiente, pelo fato de que muitas vezes essas pessoas foram obrigadas a sair da escola para poder ajudar no sustento da casa, então a sua escolaridade geralmente é baixa, o que os impede de conseguir um emprego melhor.

Anônimo disse...

Karina, Nº11 3ºD
A música faz referencia a teoria de Karl Marx sobre o mais – valia onde as pessoas trabalham muito e recebem menos que deveriam, o que acabou ser tornando o padrão da sociedade atual, ou seja, da saciedade capitalista onde o que mais importa é o dinheiro, já que necessitamos de dinheiro para nos vestirmos, nos alimentarmos, entre outras coisas.
E para conseguir esse dinheiro as pessoas são obrigadas a trabalhar como maquina assim como foi vistos no filme “ tempos modernos” onde após muitas horas de trabalho o ator Charles Chaplin sai da fabrica querendo rosquear todas as coisas que parecem um parafuso.
Porém isso não acontece apenas no filme, já que atualmente com o avanço tecnológico as pessoas acabam trabalhando mais para não perderem os seus empregos, já que uma maquina é muito mais eficiente e gera menos gasto ao empregador do que um funcionário.
No entanto como as fiscalizações nas empresas só ocorrem mediante a uma denuncia do sindicato, muito empregadores ainda mantem seus funcionários trabalhando de maneira escreva, ou seja, com poucas condições de trabalho.
Sendo assim cada vez mais a desigualdade social fica maior, já que por mais que os trabalhadores trabalhem bastante eles nunca conseguem se estabilizar financeiramente, pois o valor recebido pela sua força de trabalho nunca é o suficiente, pelo fato de que muitas vezes essas pessoas foram obrigadas a sair da escola para poder ajudar no sustento da casa, então a sua escolaridade geralmente é baixa, o que os impede de conseguir um emprego melhor.

Anônimo disse...

Leonam N°22 3° B :]
A musica mostra que a ma distribuição de renda entre as classes faz com que os povos sejam destratados fazendo assim que a classe menos favorecida não tenha seus benefícios onde temos que pedir "esmolas" para sermos atendidos pelo estado.
ainda assim que a maior parte do dinheiro esta concentrado nas mão de poucos e que a maioria sofre com a miséria.(muitos com pouco, poucos com muito).
podemos notar que na musica eles relatam o fato de que um dia pode ser você pedindo esmola, onde entra a parte de direitos iguais a todos. nao valorizando a si mesmo deixando com que o povo seja beneficiado e quebrando esse preconceito sobre as classes sociais.
o Estado tem que beneficiar a todos e fazer com que seja feito as suas ordens não deixando de beneficiar niguem.
Obrigado, desde ja. :]

Fabrício n°15 3°A disse...

Bom Professora , esta musica do plebe rude , trata de um enorme problema social de hoje , apesar de ser uma musica antiga , ela ainda transmite uma mensagem , até quando??? até quando , vamos pagar impostos absurdos e receber salários mínimos de 500 reais?? qual o ser humano que vive em condições boas , tendo que sustentar 4 pessoas com 500 reais? nós , o povo brasileiro , precisamos acordar , precisamos parar de ouvir lixo , parar de seguir o "modismo" e tentar colocar na nossa cabeça , que precisamos mudar nosso país , na musica diz , que já nascemos com esse carma , de sermos pobres , de trabalharmos cada vez mais , para enriquecer ainda mais os mais ricos , eu queria que os o pessoal que postou , e postará aqui , me desculpem , mas vocês precisam parar de ouvir michel teló , esses tchu tcha , e acordarem pra vida , isso é tudo ilusão , pra alienar mais a gente , por que , plebe rude , garotos podres , ratos de porão , não tocam nas rádios?? , por que são musicas , que fazem você pensar , você contestar por que você trabalha tanto , e continua miserável , o governo não quer ser contestado , "aí se eu te pego" passa uma grande mensagem né pessoal?? , espero que possam ver a diferença entre o que fala a musica acima , e o que vocês ouvem hoje , não tem sentido , e o governo cada vez rouba mais da gente , e nós todos felizes escutando esse lixo em massa , se achando o máximo , VAMOS ACORDAR BRASIL !!!
para finalizar , queria deixar um trecho de uma musica aqui . . .

"Eu tô cansado da tv e do bombardeio da moda
Manda comprar tudo que eu ver
Tudo que ela tem pra vender
Eu tô cansado eu sou um calo nos dedo
Da mão na roda
Que não para de crescer
A lei não sabe a diferença o que é ser e ficar louco
O remédio é tão forte que mata cada dia um pouco
Se todo excesso fosse visto como fraqueza
E não como insulto
Já me tirava do sufoco
A porta tá sempre aberta pro povo

Casca do cerrado chegaram os mortos de fome
Sujeira de outra parte que vem pra sujar seu nome
Eu te falei que o ladrão que rouba mesmo
É bem vestido e eu vi de monte
A justiça não me olha porque é cega
Mas o seu dinheiro na carteira ela enxerga
A lei do cão não é nada mais que a própria lei do homem

E quanto mais eu olhava aumentava a crença
De que o guarda do seu lado não é nada que você pensa
Pro povo do cerrado
Do alto do colorado
Tem outro nome

Povo de zé ofensa !! (Raimundos - Baile Funky)

obrigado pelo espaço , tenham um bom dia

Anônimo disse...

Julieli 18 3ºB


O conflito tratado não só na música mais em todo o mundo é originado do modo capitalista de produção. Onde os proprietários das ferramentas compram por salários miseráveis a força de trabalho do individuo, e com a mais valia tira um lucro altíssimo em relação ao salário pago. Todo esse processo gera a má distribuição de renda, as desigualdades da humanidade.
Um indivíduo quando nasce não tem a chance de escolha, mais é algemado as condições de existência que lhe rodeia. Segundo John Locke a liberdade e igualdade do individuo está relacionada à propriedade que o mesmo possui, diferente de Karl Marx que diz que é o modo capitalista de produção que define as relações sociais, permitindo ao individuo lutar por seus direitos e liberdades democráticos, o que podemos ver através da música Até quando esperar, a luta por direitos, por espaço e voz diante de um povo tão alienado em relação as condições em que vivem.A burguesia controla até o ensino, para que não nos conscientizemos do poder que temos se de maneira correta nos expressarmos e buscarmos nossos direitos, temos que ter um sentimento de pertença para que de fato nos tornemos cidadãos. A sociedade deveria pertencer ao povo, pois é ele quem paga para a manutenção da mesma e o retorno é bastante precário.
Todo esse cenário já era existente quando nascemos por isso não é nossa culpa, mas não temos que nos acomodar e conformar fazendo com que isso se torne uma desculpa. Temos que revolucionar nossa maneira de pensar e agir, sermos mais críticos e seletivos em relação a quem irá governar nosso país e de certa forma nossas vidas.Foram essas as idéias que eu pude perceber na música

Anônimo disse...

Breno 04 3 ano C
Bom a música retrata bem o capitalismo onde as distribuição de renda é desigual. há uma critica ao Estado sobre essa má distribuição e onde ele não faz nada para algumas melhorias.Pois essa ditribuição é bem clara quando você passa pelos semáfaros da nossa cidade e vê peoas pedindo esmola enquanto tem gente que não precisa pois a sua renda é melhor, que isso tem o nome de individualismo.

Anônimo disse...

Ana Carolina n°03 3°C
Musica retrata o capitalismo que vivemos, que algumas pessoas nascem com uma "benção" maior, que seria uma cultura de valores melhor, enquento outros nascem com uma "benção" menor, e grande maioria se conforma e muitas das vezes são de certa forma alienadas pela relião, e se conformam pedindo a ajuda de Deus.

Anônimo disse...

Mariana Priscilla n°23 3°C

Plebe Rude - Até quando esperar

Mostra uma realidade , o Grande CAPITALISMO que nos cerca. Que Desfavorece aqueles que são colocados como "menores" na sociedade por não terem bens ou dinheiro .
A musica faz uma critica a Burguesia , que dizem não terem culpa de serem maiores que os outros .
Se pararmos um minuto para pensar , vemos que na maioria das vezes ninguém, fica rico ou cresce sem passar alguém para traz ou fazer com que o outro fique incapaz de alcança-lo .
E sim , eles podem fazer algo a respeito só não fazem questão de pensar em algo .Fazendo com que milhares de famílias vivam em miséria total.

Anônimo disse...

Gabriela M. n°19 3°A

A música critica a forma com que o governo age, a má distribuição de renda no Brasil, o poder que esta quase que por inteiro concentrado nas mãos da elite, a "escravidão" da burguesia. A desigualdade no país, onde uns tem mais que os outros.
O Brasil, um país cheio de diversidades, onde quase tudo está concentrado na minoria, que seria a classe mais rica (a elite), e quase nada está nas mãos da peble. A divisão de renda, o trabalho ... Tudo sempre é desigual e sempre favorecendo os mais ricos.

Anônimo disse...

oi

Anônimo disse...

Acredito que a intuiçao da musica seja mostrar o mundo capitalista que é a realidade em que vivemos.
Logo com o nome da banda e da canção já podemos ter base do que se trata ate quando o povo vai esperar.
No 1º Muitos nascem em uma situação desigual em condições inferiores, mas que isso não impede de conseguir seus objetivos mesmo com a ma distribuição de renda .
No 2º Muitos com pouco e poucos com muito e também diz”Cadê sua fração” ou seja , cadê sua parte com um mundo com tanta riqueza.
No 3º A esmola que damos a pessoa necessitada poderia se você no lugar dela . “Ate quando esperar” ou seja ate quando ficar na dependência de algo
Com tudo isso gera o conflito de classes, onde o Estado é quem comanda tudo ao contrario, se tivéssemos um governo voltado para o povo
PAULA 3ºC Nº24

Larissa Bastos Nº21 - 3ºB disse...

Boa noite Prof.
A música retrata problemas sociais, como a desigualdade das classes (altas e baixas), a opressão e corrupção por parte do governo e a “ignorância” do povo em relação aos seus direitos civis e de qualidade de vida. No entanto a própria música fala que essa situação não é nossa culpa, pois já era uma condição existente antes mesmo da nossa existência, sendo assim não devemos nos conformar e aceitar a condição que a sociedade impõe sobre nós; por isso devemos agir em busca dos nossos direitos e revolucionar a maneira de como a sociedade nos coloca em relação a ela.
Um fato também marcante na música é a forte crítica ao capitalismo, onde uma grande quantia monetária fica concentrada na mão de poucos fazendo assim, que grande parte da população fique com a pequena fração da riqueza nacional, isso fica bastante explícito no seguinte trecho da música: “Com tanta riqueza por aí, onde é que está? Cadê sua fração?”.
Sendo assim devemos repensar nossos conceitos e selecionar melhor as pessoas que governarão nosso país, escolhendo pessoas que zele por um melhor condição de vida da população e deixe de olhar para seu próprio umbigo.

Anônimo disse...

Stacy Sanches Vicente n° 31 3° E

A música se inicia falando que quando nascemos e nos instituimos em sociedade já encontramos esses fatos sociais,"o que não é desculpa pela má distribuição",ou seja,quando nascemos e nos inserimos na sociedade pelos processos de socialização primária,secundária e terciária ,já encontramos a desigualdade social onde o poder se detém na mão dos dominantes que certamente são os proprietários dos meios de produção e são a minoria da população e que os plebeus(classe popular) que vendem sua força de trabalho em troca de um salário e dão lucro aos proprietários(Karl Marx).Fala sobre a igreja que em favor da classe dominante ilude as pessoas e dizem que a situação em que vivem é porque Deus quer ,o que não é verdade porque se estudamos e nos esforçamos podemos melhorar de vida.Podemos fazer uma analogia a Festa do pão e circo onde o governo enganava a população dando pão e circo para que eles não refletissem em sua realidade miserável.Émile Durkheim com sua teoria positivista diz que evoluimos das classes menos favorecidas para as favorecidas.Também fala sobre o Estado que está a serviço dos mais favorecidos(concepção Crítica de Estado)onde os impostos que damos não melhora muito as condições da população.Cabe a nós abrir nossos olhos e não deixarmos ser dominados e alienados.

Anônimo disse...

Gabriela - 3ºC - Nº35

A música "mostra" que quando nascemos já encontramos os fatos sociais constituídos, os quais nos são externos e coletivos. Mas esse fato não impossibilita promovermos rupturas. A grande questão é que rupturas sociais geralmente são lentas e quando rápidas geram grandes pressões em favor das permanências... por isso é tão difícil mudar!

Anônimo disse...

nº 33 3ºC

Ótima música e por ser um rock dos anos 80, retrata muito bem os nossos dias atuais, destacando o capitalismo e a desigualdade entre os indivíduos de diferentes classes sociais.
No começo da música diz que ja nascemos em uma sociedade, em que existe desigualdades, e não somos culpados por isso. Ela também aborda o conceito do capitalismo onde a riqueza (ricos) é que "comanda" , sendo assim, acabam por ser a classe dominante em nossa sociedade.
Contudo o Estado não faz nada para mudar isso, e nos faz repensar antes de eleger alguém para nos representar.
É na desigualdade que entra a questão da democracia que constitui ideal e práticas perseguidas por ambos setores da sociedade, e portanto a luta pela democracia não se esgota. Porém na música, eles não buscam por seus direitos de igualdade, preferem esperar pela ajuda de Deus .. Até quando ?

Gabriel disse...

Gabriel Chiesi nº:17 3ºF

A musica, nos mostra as faces da desigualdade social. O modo de pensar de Marx e Engels "O Estado é um órgão de dominação de classe, um órgão de opressão de uma classe sobre a outra", nos revela q o Estado tem muito a ver com isso tudo. Nós na condição de cidadão comum(maioria), pagamos nossos impostos, q vai para o Estado (minoria) administrar, onde o nosso dinheiro é mal empregado para nosso favor, e bem para eles. A classe dominante, é sempre a que tem maior poder de aquisição, impões sua cultura e despreza a cultura da classe dominada, que por sua vez, os que não tem tanto poder aquisitivo.
A religião entra nessa história toda, como uma salvação, a libertação dos oprimidos pela sociedade, trazendo uma vaga esperança de que a vida poderia ser mudada com apenas o poder divino, confortando os corações de pessoas desesperadas com suas situações lastimáveis e deploráveis, o que elas não percebem, é que acabam se acomodando na crença, e não se habilitam a fazer algo para seu bem, para mudar a situação, tornando a dominação eminente. E ainda perguntamos o porque que nossa sociedade é tão desigual ? Devemos decidir: sermos felizes, ou mudar o mundo ? a escolha é toda sua.

Anônimo disse...

Ingrid C. n°24 3°F
O começo da musica já diz tudo , que não é a nossa culpa , e o tempo todo fala da desigualdade, má distribuição , e critica os nossos representantes por isso . Até quando vamos esperar?
O capitalismo dominando tudo , a burguesia sempre em primeiro plano
Tanta riqueza por aí e varias pessoas passando fome, sem ter onde mora sem nada .Já passou da hora de fazermos algo ,e''até quando vamos esperar a ajuda de Deus?Vamos nos ajoelhar e implorar?'' NÃO! Mas isso só vai acabar daqui uns 3000 mil anos como a Professora cansa de fala nas aulas .
Esse dever só cabe a nós , se queremos mudanças ,vamos mudar primeiro pra depois querer mudar a sociedade .

Anônimo disse...

Daniel Q. Biscassi , nº6 ,3ºD

na musica diz que nós não temos culpa de nascer num pais capitalista.Na musica ele pergunta até quando esperar ? , ele nos pergunta até quando vamos esperar pra vivermos livres.Eles acabam fazendo uma ligação a ditadura pois as pessoas que viveram ali naquela época se pergunta até quando eles iam viver assim , quando eles seriam livres novamente,por que ali eles viviam presos sem liberdade de se expressar, pois tudo que eles faziam que era errado aos olhos do governo , eles eram torturados , expulsos do pais ou até mortos.Como diz em outra musica "Roda viva - chico buarque" , diz que toda vez que eles tinham vontade de ter voz ativa eles eram oprimidos , chegava os ditadores e calavam eles , e acabavam censurando eles.
Outro exemplo é a peça teatral do A e o O , porque através da peça teatral eles ainda conseguiam criticar os ditadores , pois na peça sempre que eles falavam A eles queriam falar de liberdade pois A é um tom aberto , e toda vez que eles queriam falar de opressão eles falavam O pois o O é um tom mais fechado.

Anônimo disse...

Ana Carla Nº05 3ºF

É uma musica que faz critica sobre a má distribuiçao de renda e fala muito de como nós somos omissos esperando sempre melhorar e acatando esse sistema de vida que eles nos proporciona.

Anônimo disse...

Narubia Nº25 3ºB

A musica tenta nos abrir os olhos para enxergar a realidade em que vivemos, fala o como somos alienados e se ficarmos esperando sem fazer nada nunca irá mudar, e quando o vocalista da banda fala da má distribuição ele fala da classe alta que sempre é mais favorecida e os trabalhadores não tem nenhum tipo de recompensa alem de trabalhar muito pra ter um salario injusto que muitas vezes não da para sustentar a família, vivemos cada vez mais presos ao capitalismo e desde sempre muitas pessoas foram mortas e torturadas tentando mostrar ao mundo o que acontece...
Professora a musica é muito boa, e mostra o quanto as pessoas eram censurados por querer dar sua opinião.
O concreto já rachou, ele tenta fala que um grupo de pessoas que se manisfesta, tentando de uma forma combater o capitalismo.

Anônimo disse...

A música, inicialmente, critica o fato de o País ser mostrado como rico e belo, porém isso não retornar a população. Critica o fato do Governo enriquecer com os impostos, mas esses não voltarem para que os pagou. O povo se ajoelha, se referindo, então, à Ditadura, e não faz nada além de esperar a ajuda de Deus, afinal é muito fácil ter algo ou alguém pra culpar pelos seus atos.

Juliana,3ºC,nº14

Anônimo disse...

oi

Anônimo disse...

Gabriela nº 18 - 3º A


A música “Até quando esperar”, da banda Plebe Rude, faz um questionamento às desigualdades sociais típicas e decorrentes do capitalismo. Fica de forma explícita que a condição do ser humano, é já designada desde seu nascimento, e o acompanha ao longo da vida, sem a capacidade de uma nova perspectiva.
É possível notar também, a dura crítica ao governo, e o uso do dinheiro público sem a devida prestação de contas com a sociedade, que paga seus caros impostos, e não têm o retorno esperado.
Um conceito que caberia facilmente neste contexto, seria o de Karl Marx a respeito da alienação, onde o indivíduo, notoriamente abre mão do seu direito de escolha, e cai no conformismo e aceitação. Deste ponto de vista, vê-se que a sociedade, principalmente das classes mais baixas e oprimidas, não lutam pelos seus direitos e nem cobram dos seus representantes as promessas feitas.
E então, neste cenário, cria-se o devido questionamento. Afinal “até quando esperar”?.

Luis Artur 3D disse...

Boa musica...

Ela faz uma critica aberta a ma distribuiçao de renda e trabalhos mesquinhos em troca de pouca quantidade de dinheiro, como olhar carros, engraxar sapatos.
Durante toda a musica, o refrao faz questionamentos como:"Ate quando esperar?", percebendo q a renda precisa ser melhor distribuida no pais.
No começo da musica, ele diz q as condiçoes sociais ja eram assim quando nascemos, e nao é nossa culpa, mas faz criticas exigindo mudanças por parte do governo.
Na minha opiniao o titulo da musica "O concreto ja rachou" faz referencia ao trecho da musica q diz ser necessario se ajoelhar e esperar a ajuda de Deus, e de tanto esperar, esse concreto em q estamos ajoelhados esperando ja rachou...

Minha Vida disse...

Sigmar 3ºB nº30

Bom faz mais de 3 horas que eu to tentando postar neste blog e não consigo.
Professora, a música retrata a má distribuição de renda, capitalismo, entre tanta outras coisas do nosso dia a dia, John Locke disse que a liberdade e igualdade do individuo está relacionada à propriedade que o mesmo possui, já Karl Marx diz que é o modo capitalista de produção que define as relações sociais, permitindo ao individuo lutar por seus direitos e liberdades democráticos, na qual é retratada na letra.
Eles só são "abençoados" com o nosso suor, eles cada vez mais ricos, e nós cada vez mais pobres, eles nos compram com míseros salários, no qual mal dá pra sustentar a si próprio, quanto mais uma família. Reflita mais sobre a tua vida. Você come por sentir fome ou come por sentir prazer em ver uma propaganda, te induzindo a comprar mesmo sem estar com fome, você escuta o que você quer ou por que eles fazem você escutar? Você compra sem precisar por que? O nome disso é consumismo, onde você gasta seu misero salário, por que é "fora da moda" não usar algum assessório, alguma roupa, que tambem é na onde o rico fica mais rico, e vc cada vez mais pobre, ele só esta mais rico porque conseguiu te induzir. Agora reflita sobre tudo o que você faz.

Anônimo disse...

Letícia Lara n°14 3°D
A música mostra que Brasil é um país belo com grandes riquezas porém mal distribuídas.Quando fala '' posso vigiar seu carro engraxar seu sapato'' mostra que há trabalhadores que vão atrás da renda,que ralam mas não ganham o quanto realmente merece,pagam impostos altos e não tem retorno..na verdade o país é belo para burguesia.

Anônimo disse...

Ana Elisa, 06 3ºF

Plebe rude uma banda ainda que antiga mas oferece conteudo de valor publico que convém ate os dias atuais por causa do nosso, ainda, sistema capitalista. Questiona a ordem e não transmiti apenas mercadoria. A música protesta no geral a desigualdade social que enfrentamos sem nem ao menos ter o poder de escolha ao nascer, pois no caso ha muito tempo seguimos um sistema do qual se pergunta ate quando esperar? Já que a conscientização de que somos alienados realmente se vingue ha de ser demorada e com elas as grandes revoluções sociais; em contrapartida as grandes pressões em favor das permanências são grandes e manipuladoras ao dinheiro..."Até quando esperar?"
"Cadê sua fração?", o fato de haver riquezas, e muita gente rastejando atrás dela demonstra a má distribuição de capital e a nossa desigualdade social. O que injustifica a benção de um país q previamente transforma sua natureza rica, que é o Brasil.
Em ênfase a tanta desigualdade que nos assola, ainda cabe a alguns a necessidade das esmolas! Elas, esmolas que são dadas sem nenhum retorno, assim como os impostos brasileiros. Sem retorno algum e produtores da maior inviabilidade publica, o poder do Estado que mais ganha sobre nós.

Anônimo disse...

A música se inicia falando que quando nascemos e nos instituímos em sociedade já encontramos os fatos sociais estabelecidos. A alienação, no caso é destacada a religião, que pacifica a plebe. O individualismo também é destacado junto à relação de venda da força de trabalho. Na sociedade há pessoas que lutam por interesses burgueses e interesses das classes subalternas, como esses dois lados são opostos, o Estado não faz sua parte e nós devemos esperar.
John Locke disse que a liberdade e igualdade do individuo está relacionada à propriedade que o mesmo possui.
Karl Marx diz que é o modo capitalista de produção que define as relações sociais, permitindo ao individuo lutar por seus direitos e liberdades democráticos.
Segundo Marx e Engels, o Estado é um órgão de dominação que domina e oprimi, que faz com que a classe popular, continue no mesmo nível de pobreza

Kerolayne N°17 3°E

Anônimo disse...

Guilherme S. Moraes - N. 13 - 3B
A música faz uma critica social, fala sobre mudanças sociais que são necessárias,mas são difíceis de haver uma ruptura pois algumas coisas fazem parte da cultura, estão enraigadas na vida das pessoas. Vão vivendo como se não tivessem nada para mudar, pois são convencidos a viverem da forma que vivem, como se estivesse tudo certo, dentro do normal. Vivem como alienados, sendo levado pela massa, devemos parar para avaliar as situações e encontrarmos força para lutarmos para uma vida melhor.

Anônimo disse...

Mayra nº 23 3ºD

"Vida", esta sim hoje é uma palavra que há muitos não convém. O ser humano, antecedente do mundo capitalista, acomodou- se com a chegada deste e hoje consequentemente sofre por isso. Desde a Revolução de 1917, quando a classe operária reivindicava seus direitos e foi violentamente reprimida, a liberdade de expressão e vivência da classe operária terciária atual é perseguida por um fantasma no interior de cada um que doa sua mão de obra a esta, e este fantasma mecaniza os ideais de cada uma destas pessoas, fazendo- as trabalhar em torno do que julgam belo e material. Assim como o filho de um burguês pode tornar- se um médico muito reconhecido e qualificado, o filho de um simples trabalhador também pode. O que os diferencia é que o filho do burguês precisa apenas frequentar corretamente a escola, o filho do trabalhador simples precisa motivar a si mesmo. Todos nós, ao nascermos temos direitos, e o direito de sonhar e pô-lo em prática é um deles; porém todos nós nascemos cercados pelo medo, e são poucas as pessoas que o descartam ao decorrer dos acontecimentos. O capitalismo ao invés de ser mudado, mudou o mundo. Toda criança quando nasce recebe um selo invisível social que o classifica em uma das alas: a burguesa, e a do sorriso lagrimado. Os jovens e demais não burgueses, por própria influência dos pais ou outros, crescem com um sentimento de inferioridade, esquecem que unidos, podem mudar o que não lhes agrada. Afinal, mudar o mundo é possível, mas talvez isso demore a acontecer, pois neste exato momento o pai que era trabalhar simples está morrendo no corredor de um hospital lotado, e amanhã seu filho provavelmente abandonará a escola e buscará um emprego, pois precisa sustentar sua família. E assim num ciclo vicioso, crianças nascem, jovens crescem e velhos morrem, concordando de boca calada a desigualdade que sofrem e dando vida a quem provavelmente sofrerá calado igual eles.

Anônimo disse...

Quando nascemos são encontrados fatos sociais contituídos, os quais nos são externos e coletivos. Mas esse fato não torna impossível ou irrevercivel promovermos ruptura. O grande problema é que rupturas sociais geralmente são lentas e quando rápidas geram grandes pressões em função da permanência. Por isso é tão dificil mudar.
Nome: Taciany Nº 31 3ºB

Anônimo disse...

Brenda nº6 3ºB
A música faz uma critica explicita ao capitalismo e ao Estado, onde o segundo nos diz que estamos presos as condições que a sociedade nos impõe sem chance de mobilidade e ação perante a situação fazendo com que nos tornemos seres alienados e conformados com esta situação, como a própria música relata, até quando esperar para que a situação mude, ou seja,que esta esteja a o nosso favor, a favor do povo a "plebe"!
Muitos de nós em sua maioria não percebe, mais todas as situações criadas pelo Estado são unica e exclusivamente para beneficio desta minoria burguesa que assola toda uma nação, este é um dos fatos que faz com que as desigualdades sociais relatadas na música se tornem tão presentes nesta mera realidade.
É neste ponto em que tais teorias estudadas como a Teoria Liberal e a Teoria Critica se enquadram onde a primeira diz que o estado está a favor de todos em sua maioria já em contrapartida temos a segunda teoria gritando que o mesmo órgão criado para assegurar nossos direitos se torna defensor do lado mais forte, a burguesia cuja unica intenção é satisfazer seus próprios interesses.
Penso que, o titulo do álbum também exerce grande reação sobre nós jovens, pois a medida em que o concreto racha saímos do senso comum nos tornando cidadãos conscientes sobre nosso papel em sociedade fazendo com que a luta pela tão sonhada liberdade se torne menos distante, pois TUDO O QUE TEMOS HOJE NÃO FOI DADO DE MÃO BEIJADA E SIM CONQUISTADO COM MUITAS LUTAS E GRANDES PERDAS!!

Anônimo disse...

Kananda Cunha n°16 3°E

Boa noite Prof°
A música em si retrata a desigualdade social , o capitalismo em si e o que ele faz no nosso dia-a-dia e em diversos fatos do nosso cotidiano.retrata os meios que o ser humano é direcionado a partir do momento que vem ao mundo e o que deve recorrer ao longo de sua vida sem ter motivação para fazer o que de fato acha certo para si .
eles até questionam o fato de nao termos culpa de viver num mundo capitalista e questiona até quando isso irá durar , pois ali eles vivem presos no "mundinho" do governo , aonde eles nao tem direito de escolha , liberdade verbal , liberdade de expressao e falam que não é culpa deles o que acontece no dia-a-dia , isso tudo é decorrencia do capitalismo onde somente se basea em consumo próprio não pensando no próximo, que o capitalismo domina tudo , persistindo em querer riquezas e nao ajudando os mais desfavorecidos. Fala sobre o desejo da população de ter meios melhores para viver sem tanta desigualdade, injustiça social , corrupção .
DIREITOS , algo que TODOS temos ,exercemos nossos DEVERES para poder usufruir dos nossos direitos .Perante a todos somos iguais mas isso não é relevado pelo governo , que desvaforece os mais necessitados , assim causando o aumento da desigualdade

Anônimo disse...

Igor - 3ºC - nº37

Mesmo a música sendo antiga ela se encaixa perfeitamente não só naquela época pois tambem vemos diariamente nos dias atuais, para esse problema acabar temos que nos levantar e lutar contra a burguesia e o estado que os favorecem pois a burguesia tem maior poder economico que impõe sobre a sociedade fazendo a trablhar para ela assim deixando cada vez mais rica e consequentemente mais poderosa.
E tambem como naquela epoca as pessoas tem que acordar, mas penso que com o passar do tempo deveriamos evoluir e o que vejo nessa sociedade apatica e a aceitação com essa situaçao vergonhosa que o estado e a burguesia impõe a nos(a classe trabalhadora), e de pensar que os representantes que nos escolhemos para brigar por nossos direitos e nosso bem estar só estão interesados com o faturamento que capitalismo tras atraves da burguesia e o estado que impoe o mesmo.
Agora eu faço uma pergunta será que todos os cidadões conseguem ver o que esta acontecendo? E se consegue porque simplesmente ficam de braço fechados?

Anônimo disse...

OLA \O/

Anônimo disse...

Thais Couto Nº34 3ºE

O autor da letra se refere as diferenças de classes sociais.
Como citado na letra - "Mas isso não é desculpa".
Não é porque eu nasci e ja existia esse tipo de diferença que isso quer dizer que eu devo dar continuidade, porém posso mudar começando por mim.

Anônimo disse...

Bruno n°09 3°A

A música fala da desigualdade social onde já nascemos predestinados a viver com pouco enquanto alguns recebem nosso dinheiro e não temos retorno.Mesmo havendo essa má distribuição do país que já vem do passado não é impossível de reverter essa história, podemos reclamar e acabar com isso.

Anônimo disse...

Valerie n°36 3°E

Logo no inicio da musica, podemos perceber a critica que o autor faz ao Governo ao dizer "Mas isso não é desculpa
Pela má distribuição". O autor critica um governo "cego" que ao em vez de visar a qualidade de vida e a igualdade social, visa apenas o que é bom a Burguesia (donos dos meios de comunicação de massa)que proporciona status mundiais e não um país justo e igual.
A musica escrita provavelmente no final de um governo Ditatorial, não só critica a má distribuição de renda como tenta por meio dela alertar a nova geração contra um Governo injusto, a alienação pelos meios de comunicação de massa, a venda da força de trabalho por esmolas e não por futuro (que é o próprio capitalismo), o nosso dinheiro que não se sabe pra onde vai e até mesmo a própria religião.
A má distribuição de rende é visada com enfase na musica e é o que gera a pobreza do pais, e em concequencia, a marginalização da população que acaba procurando renda das piores maneiras possíveis. O próprio título da musica diz "Até quando esperar", um Governo voltado a população, voltado a melhoria da sociedade em geral ? até quando ?.
Na minha opinião deveriam começar pelo ensino, uma população inteligente e não alienada.
Cheguei a conclusão que todos essas criticas "disfarçadas" em uma musica, procura entender como um país que se diz rico tem tanta desigualdade social. E isso é simples de entender, com tanto papo não temos um Governo Democrático e sim Hipócrita !

Anônimo disse...

Adonai n°01 classe 3°D
concluindo esta musica,que aponta diretamentamente os pontos criticos da nossa sociedade e a outros também,vemos que temos tantas coisas boas ,tantas riquezas ...mas de adianta tudo isso se não podemos usufruir...vemos tanta gente sem ter aonde se quer repousar enquanto outros vivem luxando e rindo da cara deles,acham que apenas servimos de seres alienados que cumprem ordens e ganha capital para essas classes alts continuem no dominio das outras classes trabalhadoras ... E ainda falam que temos DIREITOS ,não parece pois mostram que apenas temos o direito de ficar quietos e obedece-los...Precisamos de mais igualdade estamos cheios dessa falta de dignidade em nossa sociedade...

Anônimo disse...

Adonai n°01 classe 3°D
concluindo esta musica,que aponta diretamentamente os pontos criticos da nossa sociedade e a outros também,vemos que temos tantas coisas boas ,tantas riquezas ...mas de adianta tudo isso se não podemos usufruir...vemos tanta gente sem ter aonde se quer repousar enquanto outros vivem luxando e rindo da cara deles,acham que apenas servimos de seres alienados que cumprem ordens e ganha capital para essas classes alts continuem no dominio das outras classes trabalhadoras ... E ainda falam que temos DIREITOS ,não parece pois mostram que apenas temos o direito de ficar quietos e obedece-los...Precisamos de mais igualdade estamos cheios dessa falta de dignidade em nossa sociedade...

Vinicius disse...

O tema central da musica é a critica ao sistema capitalista que gera as desigualdades sociais e econômicas. Como a musica diz “Com tanta riqueza por aí, onde é que está,
cadê sua fração”. Essa ma distribuição é vista ao nosso redor onde a maioria da sociedade vive em péssimas condições e a minoria vive no luxo. “E cadê a esmola que nós damos”? (que são os impostos) está no bolso da classe dominante (burguesia) quando deveria estar sendo usado na sociedade. O maior problema é que a população não faz nada para mudar isso, convivem com isso como se fosse normal. O Estado tem como apoio de opressão a religião (muito usada nos meios de comunicação de massa), que aliena a população a crer que eles devem esperar a ajuda divina para solucionar seus problemas. O mau da sociedade é não ir atrás de seus direitos como a liberdade e igualdade que estão sendo oprimidos pelo Estado, que por sua vez só se importa com o bem estar da burguesia (dominates, que controlam o meio de trabalho no modo capitalista).
Nº32 3ºA

Anônimo disse...

Graziele n°23 3°A
A Música "Até Quando Esperar" da banda Plebe Rude mostra claramente uma severa crítica ao sistema capistalista,causador das desigualdades sociais,onde uma grande parte da sociedade fica na miséria,enquanto a burguesia desfruta do ' bom e do melhor",ou seja, fica visível uma má distribuição de renda.
Infelizmente isso ocorre já há algum tempo,pois mesmo Karl Marx, criticava esse sistema dizendo que, " o sistema capitalista, que está baseado no lucro e no acúmulo de capital, é um sistema injusto e criador de muita desigualdade", deixando evidente o que acontece atualmente.
Na música o autor destaca também que, quando nascemos os fatos sociais ja estão formados,ou seja, pronto para seguirmos. Émile Durkheim, o responsável em sistematizar a Sociologia,tinha como obejto de estudo os fatos sociais, e afirmava que, " os fatos sociais provoca a coersão social, ou seja, a força que os fatos exercem sobre os indivíduos, levando-os a conformar-se às regras da sociedade em que vivem, independentemente de sua vontade e escolha."Está aí claro uns do motivos porque esse sistema prevalece há muito tempo. Entretanto,através de reivindicações sociais podemos mudar isso,exercendo o nosso papel social como cidadão,lutando pelos nossos direitos.

Anônimo disse...

Boa Noite,

A musica fala principalmente sobre a desigualdade social que existe, pois enquanto uns têm muito, outros não tem nada, e em muitos casos passam por necessidades, situação essa que foi provocada pela forte força do capitalismo.

Conforme podemos observar e como encontramos na letra dessa musica, nós já nascemos em um mundo com determinadas “regras”, mas isso nos leva a pensar, essas leis e/ou regras que existem deveriam ser seguidas pelos dois lados da moeda, pois quem “nasce”, não tem culpa de erros cometidos no passado e esses erros não devem influenciar o presente.

Devemos pensar além de nós mesmos, pois a vida está sempre em transformação, sendo assim, ao mesmo tempo em que estamos com uma situação financeira boa, amanhã o jogo pode virar, pois dinheiro vai e vem, a única coisa real q ninguém pode te tirar é seu caráter e força de vontade, de ser sempre melhor por si próprio, sem “pisar ”em ninguém, características que são guiadas pela sua própria consciência.

Se algum dia quisermos um mundo melhor devemos refletir sobre isso e cada um fazer a sua parte, pois de pouco a pouco, um dia conseguiremos muito!!!

Nesse momento que a Sociologia entra em ação, desenvolvendo um olhar crítico e pessoal sobre os diversos “aspectos” da Sociedade , com o objetivo de deixar de lado o senso comum.

Bruna, ----- Numero: 05 ----- 3.E

Tiago Celeri Photo disse...

[b]Tiago Celeri , Nº35 , 3ºE .[/b]
A sociedade é resultado de conflitos e classes e o estado emerge como a instituição politica vinculada aos interesses da classe dominante, portanto não representa aos interesses da maioria.
A música relata a desigualdade social daquela época e que conseguentemente reflete nos dias atuais.Trechos da musica impõe tambem que os desfavorecidos não conseguem dominar o ensino portanto a falta de inteligencia e vão a procura de cargos de trabalho onde são : vigias de automoveis, engraxadores de sapatos,... e por isso ganham uma "esmola" , e não adquirem um status de vida em que seja estavel. Não tendo a ajuda do Estado (como ironizado na musica " Esperando a ajuda do divino Deus" ).O Estado junto a classe dominante impõe sua cultura a sociedade tendo como parametro uma alienação/manipulação as classes desfavorecidas.
Concluo que a população está cada vez mais cômoda a isto , e nao correm atras de seus direitos como cidadão.

Anônimo disse...

Tayla n°34 3D


a música fala da situação da sociedade em que vivemos,nao só de hoje, traz a ideia de refexão, onde enchergamos uma ideia de má distribuição de renda, e que a populaçao esta acomodada a isso,a ver limpando seus sapatos ou pedindo esmolas,desigualdade social, e que esperamos por um milagre de Deus ao invés de reagir e lutar pelo nossos direitos,capitalismo

Amanda disse...

Amanda Nº02 3C

A música fala que nós já nascemos uma sociedade capitalista e com muitas diferenças sociais e principalmente econômicas.
Ao que se refere ao capitalismo a musica fala da má distribuição de renda, enquanto os ricos (burguesia) ficam cada vez mais ricos, os pobres (peble)tem que ajoelhar e pedir ajuda para Deus.
Ao qe se refere a diferença social a musica fala sobre como o sistema capitalista cria uma desigualdade social, por exemplo, na musica fala como os pobres engraxam os sapatos ou limpam o carro das pessoas ricas.
Todo cidadão trabalhador tem o direito de ser tratado com respeito e nós devemos lutar para que isso aconteça.

Anônimo disse...

Leonardo - N:17 3ºC

A idéia cetral da musica e retratar o capitalismo, e a grande desigualdade atualmente do pais, que mesmo ele sendo rico e com tanta riqueza por aí . Faz-se uma má distribuição de recursos , e o poder esta na mão da minoria da população ,que e o estado e só favorece a ele mesmo , com isso muitos vivem numa intensa pobreza , devido a grande corrupção do governo , que vivemos em uma nação de pessoas , egoístas que tudo o que lhes interessa é ser melhor que o outro , e a única maneira de isto mudar e esperar a “ajuda de deus”

Anônimo disse...

A musica relata a desigualdade social que existe, na qual seu tema central é a critica ao sistema capitalista, que acaba gerando essa desigualdade e na maioria das vezes esta desigualdade foi gerada devido ao capitalismo. No entanto somos usados diariamente como maguinhas e somos vitimas dos meios de comunicação em massa, que fazem com que nos tornamos cada vez mais consumistas!
O dinheiro dos impostos que pagamos não são usados como deveriam e ao em vez de estar sendo usado na sociedade esta nas mãos da classe dominante que é a Burguesia. No entanto nos cidadão não fazemos absolutamente nada para mudar isso, levamos esta situação como se fosse uma normalidade, não indo atrás de seus direitos. Nos preoculpamos com tantas coisas fúteis de nosso dia a dia que não percebemos a forma que estamos sendo tratados.


Bianca Xavier / n: 09 / 3 F

TB disse...

Bom dia, tarde ou noite.

Interpreto que além, de criticar a forma de governo, a banda dá ênfase em mostrar que a comodidade e conformismo do povo (plebe) são demasiados.
O pensamento de Karl Marx é o que mais se aproxima da realidade, por isso há maior reconhecimento de seu nome. Marx dizia que: “O Estado criaria as condições necessárias para o desenvolvimento das relações capitalistas. O Estado moderno funcionaria como um comitê executivo das classes dominantes.” Ou seja, essa condição de governo permite:
- a desigualdade social (econômica): onde seguimos aquele ditado em que “O de cima; sobe, e o de baixo; desce” que gera como consequência;
- a divisão de classes: onde por herança cultural acabamos por acreditar/aceitar que existem “reis e peões” (isto é, a multidão vê essencialmente a condição de poder concentrado nas mãos de uma minoria, enquanto a maioria obedece as leis que lhes são impostas).
- e a ignorância: Na frase “Nascemos já com uma bênção” é claramente tido como ironia, quando em toda a história da humanidade sempre existiu uma classificação para dividir os povos. Porém na Antiguidade você nascia e morria pertencendo á uma mesma classe, devido á isso muitos não conseguem perceber que há uma grande possibilidade de qualquer indivíduo mudar de classe econômica – comparando os Tempos. Ainda que a probabilidade seja pouca.
Em trechos como: “Cadê sua fração?” e “Até quando esperar?”, destaca que o compositor induz o povo a se questionar sobre se a culpa é realmente do governo. Já que a mudança vai adiar até a população resolver promover a transformação.
No final da música deus se faz presente. Hoje somos Estado Laico, mas como carregamos a cruz da religião desde a criação da vida humana, pois até pouco tempo a religião era verdade incontestável, a lavagem cerebral que vinha sendo aprimorada há milhares de anos, fez a população novamente adaptar a religião ao Estado.
As pessoas tem deus como refúgio, é uma segurança; proteção. Tanto que muitos o vê como um ser onipotente, onipresente e onisciente. Isto faz com que as pessoas esperem uma intervenção divina, que tudo “caia do céu”, esperam no silêncio, com esperança que não será necessário fazer a revolução, pois deus fará justiça punindo os governadores que os roubam e os enganam. As pessoas se colocam na defensiva, aproveitando de não se darem o direito de julgar.
Enquanto Max Weber defendia que: “Estado é quem detém o "legítimo" uso da força. É quem pode, na forma de seu representante, usar a força para fazer cumprir a Lei, que é para todos”. Ou seja, somente o Estado pode fazer uso da força, legalmente.
Também fazemos uso do conceito de Estado de Weber, pois depositamos toda nossa confiança no governo para fazer justiça, já que é ilegal fazê-la com as próprias mãos. Para isso o Estado julga e condena o réu.

O pensamento de Émile Durkheim é o que mais se aproxima do modo como o Estado deveria agir; beneficiando os cidadãos e visando o melhor para seu convívio em sociedade. Durkheim dizia que: “O Estado deveria estar acima das organizações comunitárias. O Estado cumpriria uma função moral sem fins conceituais ou religiosos, à exemplo disso, teríamos a Educação Pública.” Um modelo de sociedade baseada em ideias, que somente quando o capitalismo entrar em forte crise, poderá ser avaliada como opção de governo.

Thaís Balatore, nº: 33, 3ºE

géssica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
géssica disse...

Olá PROFESSORA,PEÇO DESCULPAS A SENHORA,POR MIM ESTAR POSTANDO SOMENTE AGORA O COMENTÁRIO,POIS NÃO CONSEGUI POSTAR ANTERIORMENTE,POIS NÃO TENHO ACESSO A INTERNET,ENTÃO FUI A CASA DE UMA COLEGA,E ESTA ME AUXILIOU....

A música retrata diversos contextos sociais,em que estes,atingem a econômia,política,religião,principalmente a plebe que é a base da sociedade,a qual,está sendo alienada,em que torna-se mais fácil,da elite manter-se no poder.
Podemos observar os efeitos de dominação que atingem a plebe,sem esta perceber,infelizmente esta dificilmente percebe que esta sendo alienada.
Detectamos também a alma do governo(capitalismo),que de uma forma não igualitária,distribui as rendas em diferentes proporções...
Com isto,nos deparamos com a desigualdade,e os meios que esta afeta,como educação,saúde...
Sobre este sistema há várias ideologias,que são comentadas explicitamente por Karl Marx.
Portanto,meu caro leitor,ao analisarmos o contexto em que vivemos,ainda somos as formigas operárias,que sustentam toda a sociedade,e sofre todos os impactos controvérsos,causados por esta.
Para alterar esta realidade,não basta apenas criticar,idealizar conceitos de solução e sim causar uma revolução pela liberdade tanto almejada,mas não concedida,para sermos cidadãos dignos de nosso próprio ser,capazes de dicernir,o certo do errado,com a ética e a moralidade,sem que haja,um governo com interesses parciais sobre
nós.

GÉSSICA, N°6,3°C

Anônimo disse...

Lorena 3°D N° 15

Ótima música professora!
A música fala que nós não temos culpa por não ter nascido ricos. O Brasil é conhecido por tanta riqueza, por que tem tantas pessoas passando fome? E, tem tantas pessoas milionárias? A desigualdade é muito grande, e vem aumentando cada vez mais e mais! Será que não é nossa culpa mesmo? Pois, esperamos muito que Deus melhore nossa vida, mas não corremos atrás para que isso ocorra. Muitos não vão atrás de um bom emprego, de se empenhar para garantir um bom futuro. Eles vão atrás de pedir esmolas e trocados, mas eles não correm atrás para se dar "melhor" na vida. Eles querem que tudo vem de "bandeja" e acham que pedindo para Deus eles vão conseguir, mas não é assim, eles tem que ir atrás, se esforçar e se empenhar. A música atinge a economia por não terem dinheiro para ter uma vida melhor, religião por pedir sempre a Deus para que Ele melhore a vida e a politica pois eles dizem que a culpa não é deles.. Mas por outro lado, eles tem uma grande influencia nisso, pois não correm atras. E pode-se notar que afeta a educação, pois essas pessoas não tem a educação necessária para se "qualificar", a saúde, pois muitos estão ficando doentes sem as condições necessárias. Portanto o governo não pode ter tantos interesses sobre nós. Temos que ir atras, ver nossos direitos de cidadãos para nos qualificarmos melhor e quem sabe até ter uma vida melhor!

Anônimo disse...

Professora não consegui enviar antes deu erro é por isso o atraso espero que a senhora considere.
A musica trata da desigualdade social fazendo referencia a mais valia -teoria de Karl Marx- onde as pessoas trabalham muito e recebem pouco. Atualmente na sociedade em que vivemos, capitalista, o dinheiro é o que mais importa, já que sem ele não conseguimos fazer nada, tornando o que chamamos de liberdade algo limitado; pois se dinheiro não podemos comprar comida. roupa e etc, ou seja a nossa liberdade é poder escolher para quem vamos vender nossa força de trabalho, que é tudo o que temos.
O trabalho é o nos diferencia dos outros animais que é uma ação consciente e transformadora.
Com o avança tecnológico temos que trabalhar mais; pois as maquinas fazem mais rápido e em maior quantidade.
Cada vez mais aumenta as diferenças econômicas e sociais dentro de nossa sociedade, já que por mais que os trabalhadores trabalhem bastante eles nunca conseguem se estabilizar financeiramente, e muitos não tem condições de estudar para conseguir um emprego e salário melhor.
Tive que escrever tudo novamente já que teve erro.
N°31 3°D

Anônimo disse...

A sociologia estuda e ajuda a encontrar soluções para problemas como os citados na música, de má distribuição da renda entre a população. O Brasil é um país rico, e apesar disso, tem muitas pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza, o estudo social, ajuda a entender o motivo disso, como isso ocorreu com o passar do tempo, estudando não só as consequencias que esses problemas trazem hoje, mas a história dessa sociedade. Entendendo as causas dos problemas sociais, é mais fácil procurar soluções, por isso a sociologia é importante, para o bom convívio dos seres na sociedade, que preza direitos iguais entre todos.

n° 07, 3°D.

Wendell de Santi disse...

Wendell Oliveira nº38 3ºF

A música "Até Quando Esperar", da Banda Plebe Rude, nos revela várias situações presentes no capitalismo.
Quando nascemos já encontramos os fatos sociais constituídos, os quais nos são externos,coercitivos e coletivos. Mas esse fato não impossibilita promovermos rupturas. A grande questão é que rupturas sociais geralmente são lentas e quando rápidas geram grandes pressões em favor das permanências. o título tem um significado que até quando nós, os cidadãos brasileiros, iremos ter que esperar atitudes do governo para melhorar a sociedade, ou seja, quando é que o governo brasileiro terá sua voz ativa ao povo.
Observando alguns trechos da música, conclui-se que a má distribuição de renda, o que é a causa principal da pobreza no Brasil, é abordada com êntese, em que o Brasil, país que possuí inúmeras riquezas principalmente voltadas ao setor primário, o investimento nelas nunca vão á destino das mãos dos cidadãos brasileiros.
Pode-se observar também, a marginalização da população, em que indivíduos de baixa renda concentram-se em trabalhos informais, como o trabalho no sinal do trânsito, como uma forma de sobrevivência.
Enfim, a "corrupção do Brasil já está no DNA", mesmo com tanta riqueza, solo fértil, cultura riquíssima, vivemos em uma nação de pessoas egoístas.
A maioria da riqueza está no bolso da minoria(burguesia) que, por algum motivo, acha que tem mais direito que o restante da população. Depois muitos procuram a religião, que nos suga mais um pouco com o dízimo, que até então era um ato de fé, mas acabou tornando o gesto principal na igreja, vamos dizer que "obrigatório" em algumas.

OBS: Professora peço sinceras desculpas pela demora, pensei que fosse até dia 15, porém estava errado. Espero que a senhora aceite meu comentário para a Avaliação Bimestral 2º, caso não esteja mais sendo computado, fico feliz em ter deixado meu comentário no seu blog, sobre um assunto tão interessante, reflexivo.
Muito Obrigado!

Ocorreu um erro neste gadget

Dicas

1) Profissões, ciências e artesAtlas de Anatomia Vegetal: atlasveg.ib.usp.br/focara 2) Dicionário de Astronomia e Áreas Afins: www.ceaal.al.org.br/astrodic 3) Dicionário de Aves : aves.ccg.pt 4) Dicionário de Economia: economiabr.net/dicionario 5) Dicionário do JMA (meio ambiente, de agricultura a zoonose: www.jornaldomeioambiente.com.br/dicionario_ambiente 6) Dicionário do Trabalho Vivo (trabalho, emprego e gestão da carreira profissional): www.cidade.usp.br/projetos/dicionario 7) Dicionário Interativo da Educação Brasileira: http://www.educabrasil.com.br/eb/dic/dicionario.asp 8) Dicionário Rossetti de Química: www.rossetti.eti.br/dicuser 9) Enciclopédia da Música Brasileira: www.uol.com.br/encmusical 10) Enciclopédia de Artes Visuais: www.itaucultural.org.br/AplicExternas/Enciclopedia/artesvisuais 11) Astronautas e astronomia: www.astronautix.com/spaceflt 12) Saúde infantil: www.kidshealth.org/kid 13) Enciclopédia de Humanidades (de História à Filosofia): http://www.perseus.tufts.edu/

bolinhas bolinhas